Frente de Destaques

Fricção

Frente de Destaques

Mais uma semana, mais um sem número de destaques na nossa imprensa sobre o que vemos e iremos ver na nossa televisão. Se Teresa Guilherme desmentiu o convite para a segunda temporada de Secret Story, Vera Ferreira confirmou que há grandes possibilidades de ser uma das repórteres do programa. Já a SIC prepara o remake de Dacin’ Days, enquanto que a TVI se prepara para apostar em Doce Tentação.

Senhoras e senhores, sejam bem-vindos a mais uma Frente de Destaques!

Esta última semana fica marcada, inevitavelmente, pelo destaque dado pelas diferentes publicações a Laços de Sangue. As gravações da “novela da nossa gente” chegaram ao fim a 29 de Julho e, inevitavelmente, a festa que se seguiu também teve grande afluência da imprensa. Joana Santos, a revelação da representação nos últimos meses, falou sobre o seu papel com a TV Guia e mostrou-se bastante satisfeita, mas sempre com muita humildade. Já Diogo Morgado elogiou o crescimento das colegas de cena e Margarida Carpinteiro deu a conhecer todo o seu contentamento com este trabalho. Declarações que só mostram a importância que esta história teve, não só para o canal onde é emitida, como também para aqueles que a tornaram possível. Estou cada vez mais fã e, embora esteja um pouco desiludido com o final, tenho perfeita noção de que Laços de Sangue ficará para a história da ficção nacional. E isso, poucas ou nenhumas pessoas podem negar. A “novela da nossa gente” é, inevitavelmente, a Protagonista da semana.

Aproveitando que se fala na ficção com o selo SIC, a edição desta semana da revista TV 7 Dias revelou qual é, afinal, o remake brasileiro que a televisão de Carnaxide vai fazer adaptado à realidade portuguesa. A escola recaiu em Dacin’ Days, uma das primeiras produções brasileiras a ser emitida no nosso país, pela RTP. Sinceramente, já nem me lembrava de que a SIC ainda tinha este projeto em carteira. Não conhecia a história, mas estive a informar-me e até que me parece bastante contemporânea e interessante. Talvez com um grande trabalho de bastidores e um elenco bem escolhido se consiga manter a qualidade da sua ficção e fazer melhor do que a concorrência. Para protagonistas, penso que a aposta voltará a recair em alguém com “pouca experiência” e com muita “margem de progressão” e em outras duas pessoas com mais créditos dados. Só espero que para os lados de Carnaxide não se cometa o mesmo erro da concorrência, que é como quem diz, repetir protagonistas constantemente.

Da ficção SIC passamos para aquilo que se faz na TVI, ou melhor, para aquilo que se vai fazer. É já em meados de Setembro que arrancam as gravações da nova telenovela da Casa da Criação. Disso já sabíamos, mas foi apenas esta semana que ficámos a conhecer o nome provisório desta história. Doce Tentação foi a designação escolhida e também os protagonistas já estão escalados. Mariana Monteiro, São José Correia e Pedro Lima prometem dar do que falar. Fiquei surpreendido e ao mesmo tempo satisfeito. Finalmente a Flor de Sedução volta ao lugar de protagonista e oxalá dê vida a uma sofrida mulher e que nos apaixone a todos. Contrariamente, também estou curioso para ver como é que Mariana Monteiro estará enquanto vilã. Fiquei igualmente satisfeito ao tomar conhecimento de que Marco Delgado será um grande vilão em Doce Tentação, muito provavelmente “cúmplice” de Mariana Monteiro, o que me agrada bastante, afinal de contas, nos últimos tempos, o Samuel de Sedução tem dado vida a personagens mais “boazinhas”. Por fim, um último comentário a esta produção, que me causa alguma preocupação, que passa pela escolha da cidade de Lisboa para pano de fundo. Se pensarmos em dois dos mais recentes flops da TVI, Sedução e Sentimentos, foi a capital que serviu de cidade para o desenrolar da ação, e este poderá ser um fator decisivo para o sucesso ou insucesso da história. Afinal de contas, atualmente, os portugueses querem ver o “Portugal pequenino”, conhecer as localidades que, sem ser pela televisão jamais se lembrariam. Mas vamos aguardar, porque também é necessário dar destaque às ótimas paisagens da capital.

Ainda da TVI, é agora tempo de lhe falar da segunda temporada de Secret Story. Se, na semana passada parecia certo que Teresa Guilherme ocuparia, esta semana volta a dar-se um “volte-face”. É que a própria garantiu, em declarações à revista ANA que não recebeu, por enquanto, qualquer tipo de contacto dos responsáveis do canal de Queluz de Baixo. Sabendo nós de o quanto a apresentadora consegue fazer bluff, não deixa de ser de estranhar que seja o que se passa neste momento. Mas, tal como aconteceu no ano passado, e se não for ela a escolhida? Será este o projeto para Cristina Ferreira, que Flávio Furtado revelou na Nova Gente? Não sei, mas, mais uma vez volto a defender, Teresa Guilherme é apenas e só a melhor aposta que a TVI poderia fazer. Uma péssima aposta parece-me a escolha de Vera Ferreira para os Vox Pop do programa. Ok, é verdade que a jovem conquistou o carinho de muitos portugueses e que também teria um “cargo” quase que sem importância, mas agora a TVI vai explorar a sua imagem até ao limite? Ele é Telefilmes, ele é novelas e agora novamente Secret Story? Já chega, não? Talvez tudo não passe de mais algumas achas para a fogueira que nunca queima…

De Vera Ferreira passamos imediatamente para outro concorrente de Perdidos na Tribo. Segundo as edições desta semana das revistas TV Guia e TV Mais, José Castelo Branco prepara-se para ter uma rubrica de moda num dos programas de day-time da televisão de Queluz de Baixo já a partir de Setembro. Algo esperável, mas, o “conde” a mudar o visual dos portugueses? Não consigo perceber. É que, para muitos, o seu aparente “bom-gosto” não é de todo o melhor possível. E se ele aplicar os seus “conhecimentos” de moda nas outras pessoas, acabará por ser um pouco esquisito, não? E, não, não estou com qualquer tipo de preconceito. Apenas acho que José Castelo Branco não terá muito jeito para mudar o visual dos telespetadores. Ele que se dedique a preparar a entrada em outro reality-show da TVI.

Para último destaque, falo-lhe de Maria João Bastos. Ela que era já dada como certa na televisão de Carnaxide, abriu, finalmente, o jogo e confessou que vai permanecer ligada à TVI. Pena que só agora o diga e que tenha sido necessário estar a gravar um dos telefilmes para o canal para falar sobre o seu futuro. Terá sido a melhor opção? Acredito que sim, afinal de contas é em Queluz de Baixo que se tem apostado mais em ficção, mas na SIC talvez tivesse um “tratamento” mais personalizado. Mas o convite não deve ter agradado e nem a amizade com Gabriela Sobral ajudou. Agora é aguardar para ver o que a espera nos ecrãs da TVI.

Terminados os destaques, as declarações que marcaram a semana:

“É normal que a TVI tenha perdido nas audiências. Foi tudo um erro ao decidir apostar na polémica. Detesto polémicas e disse-o, olhos nos olhos, à Leonor Poeiras.”, Io Apolloni (in TV Guia)

“Sempre fui freelancer durante o meu percurso e espero manter-me assim durante alguns anos. A nível de trabalho, eu gosto de variar e de estar com pessoas que me estimulam de formas diferentes.”, Albano Jerónimo (in Diário de Notícias)

“Quero acompanhar de perto tudo o que se estiver a produzir, quero estar perto das pessoas!”, José Fragoso (in TV Guia)

“Tornei-me na figura-chave de tudo o que é celebrity reality-shows neste país, porque já fiz todos. Já vou no meu quinto reality-show e sempre como cabeça de cartaz”, José Castelo Branco (in TV Mais)

Antes das despedidas, a Rosa e o Espinho da semana:

Rosa

O destaque maior da semana vai para o artigo bastante interessante da Correio TV sobre os contratos de exclusividade de diversos atores portugueses. Sim, é verdade que não é de bom tom falar-se de dinheiro ganho com trabalho feito por aqueles que trabalham em televisão, mas é curioso saber que há, inclusivamente, “estratos” para os salários. E há ainda que ter em conta as declarações dos diferentes atores sobre este tipo de vínculos.

Espinho

Curiosamente o menos da semana vai também para algo relacionado com salários. Mas desta vez sobre a polémica que, surpreendentemente também é alimentada pelos críticos de televisão. Como se já não bastassem os “críticos de bancada”, agora também Carlos Dias da Silva questiona quanto ganha Júlia Pinheiro. E agora pergunto eu, porque é que quando ela trabalhava na TVI ninguém questionava quanto ganhava? E porque não fazem o mesmo com Fátima Lopes?

E assim termina a nonagésima quarta edição de Frente de Destaques!

Até para a semana!

  • Tiago

    Só um reparo. No parágrafo, abaixo da imagem de Laços de Sangue, está escrito ‘a escola recaiu…’ e deve tratar-se de ‘a escolha recaiu…’, correto? 🙂

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close