Fora de Série

Terra Nova

A Humanidade encontra-se à beira da extinção devido a um colapso ambiental. Terra Nova é Fora de Série!

Apesar de estarmos prestes a entrar no século XXII, a solução para os seres humanos poderá estar no passado… há milhões de anos. É este o mote de Terra Nova, uma série da FOX que estreou nos EUA na noite de terça-feira.

No presente, a Terra perdeu coisas tão simples como nuvens, sol, ou uma simples laranja… que foi consequência da ação humana, a ambição desmedida do Homem. Apesar de tudo, existe uma segunda oportunidade para começar de novo, mas apenas para alguns, os “escolhidos” têm essa possibilidade. É aí que conhecemos uma família que com um grupo de pessoas vai para o passado, 85 milhões de anos atrás, numa época em que os dinossauros são um perigo constante, mas o ar e o ambiente estão sãos, ao contrário do presente. Esta temática tem, claramente, o dedo de um dos produtores da série, Steven Spielberg, o conhecido cineasta que costuma desenvolver muito bem este tipo de enredo.

Num episódio que serviu de apresentação a Terra Nova, uma civilização no passado que é incrivelmente rica em surpresas, perigos e paisagens maravilhosas. É isto que se pode esperar da série… mas veja o trailer de apresentação à mesma.

http://www.youtube.com/watch?v=X6aNEIZwPFc

Quem é quem?

Como seria de esperar num primeiro episódio não dá para fazer uma análise detalhada de cada personagem, mas podemos fazer uma referência aos núcleos que existem e globalmente às suas ligações. Existe um núcleo mais juvenil, que inclui os membros mais jovens da família Shannon. Zoe (Alana Mansour) é a mais nova, que para entrar na Terra Nova tem de ser escondida, pois no mundo atual e por força da poluição e escassez de recursos, as famílias são impedidas e obrigadas a não ter mais filhos. Porém, Jim (Jason O’Mara) e Elizabeth (Shelley Conn) Shannon não acatam essa proibição e acabam por ter de viver a esconder a pequena Zoe. É também por essa razão que Jim é detido, 2 anos antes de ir para Terra Nova, ao ter atacado um polícia e acaba por perder dois anos da vida familiar por estar na cadeia. Devido a esse facto, Josh Shannon (Landon Liboiron) fica revoltado com o pai. Já Elizabeth, quando Jim regressa, também tem alguma relutância na sua receção. Na realidade trata-se mais de uma adaptação conjunta à rotina familiar. Por último, Maddy Shannon (Naomi Scott) é uma jovem muito inteligente e um pouco “nerd” mesmo.

Esta família que parece normal tem então de se adaptar à nova rotina familiar mas também à nova civilização em que vivem. Uma civilização pré-histórica onde os mistérios são muitos e que dá, no fundo, para imaginar como essa altura teria sido, ou como a vida e a civilização atual podem ter sido originadas.

Por que não devo perder esta série?

Como não podia deixar de ser, tendo a marca Spielberg, os efeitos especiais estão em foco nesta produção. Porém, confesso que achei que havia um pouco de tudo, desde paisagens absolutamente maravilhosas, a planos filmados nos conhecidos ecrãs verdes que estavam demasiado “colados” que acabam por prejudicar um pouco a nossa atenção na ação.

Julgo que a história é interessante do ponto de vista histórico e até de reflexão pessoal acerca daquilo que estamos a fazer ao nosso planeta, da iminente possibilidade da humanidade ficar sem recursos que podem ser os mais simples e banais nos dias de hoje, mas que quando escassos se tornam de extrema importância. No fundo, é interessante perceber também a aventura de Zoe, pois esta não conhece a Terra como a conhecemos hoje, isto é, sem estar contaminada e degradada como no início do século XXII. Assim a pequena Zoe vai descobrindo as laranjas, a lua, o sol, as nuvens e até os dinossauros que acaba por tratar como animais de estimação.

Para além disso, e por se tratar de um novo mundo, por assim dizer, vamos descobrindo inúmeras coisas que são semelhantes ao presente, desde a distinção entre “bons” e “maus”, a gestão dos recursos disponíveis entre as duas “nações” existentes, etc. É interessante descobrir a cada episódio coisas novas.

Por essa razão podemos encarar Terra Nova como um alerta para o nosso presente e futuro, pois se na série temos a possibilidade de recuar a uma civilização do passado para reconstruir tudo de novo, receio bem que na realidade isso não seja possível… para já.

O que podia ser melhorado?

Como a generalidade das séries, quanto a mim, Terra Nova peca um pouco por ser demasiado fácil e rápido criar relações de amizade (ou algo mais) assim do nada… Compreendo que se tenha de rentabilizar o tempo de antena, mas daí a na primeira interação já se ser o melhor amigo, para mim, é estranho. Por outro lado, também notei muitos clichés à volta das relações que iam surgindo, mas vou aguardar para perceber como vão evoluindo ao longo da temporada e se nos reservam alguma surpresa.

No geral, considero que Terra Nova vale sobretudo pela parte de ficção científica e pelo mundo de fantasia que foi criado. Estou curiosa para descobrir mais e, por isso e peso embora os clichés, vou continuar a acompanhar esta aventura numa civilização pré-histórica.

Aconselho aos amantes de ficção científica e não só!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close