Fora de Série

Private Practice

No “Fora de Série” desta semana, pode ficar a conhecer um pouco mais de Private Practice (Clínica Privada), o drama médico centrado numa Clínica particular pouco convencional.

Devido ao sucesso que a personagem Addison Montgomery, de Kate Walsh, (e das suas paixões fracassadas, decepções, traições e outras frustrações) teve junto do público, a produtora da série, Shonda Rhimes, sugeriu um derivado (spin off) da popular série médica “Grey’s Anatomy” (Anatomia de Grey), que seguisse a vida da brilhante ginecologista/ obstetra/ neo- natologista, ex-mulher de Dereck (“Mcdreamy”) Sheperd, o cirurgião/homem de sonho de Anatomia de Grey.

Com a dolorosa revelação da infertilidade, é longe de Seattle e do já conhecido “Seattle Grace Hospital, nas terras solarengas de Los Angeles, que a médica vai procurar um novo rumo. Ao lado dos seus antigos colegas de faculdade, Addison vai fazer novas amizades cruciais para a sua reconstrução enquanto médica e ser humano.

Como pano de fundo, a clínica particular “Oceanside Wellness”, os seus pacientes e as histórias paralelas de uma magnífica equipa médica, cuja actividade profissional se mistura e intrica com as peculiaridades das suas vidas privadas.

Trailer: 

 http://www.youtube.com/watch?v=JayRIg3_VB0 

 

Personagens:


Adisson Forbes Montgomery (Kate Walsh) – É uma cirurgiã obstetra neo-natal conceituada, com várias sub-especializações que a tornam praticamente única no seu ramo.

Foi casada com o colega de profissão,  o  neurocirurgião Dereck Shepherd, durante 10 anos, mas acaba por traí-lo com o seu melhor amigo, Mark Sloan, também ele cirurgião plástico. Depois de tentar reconquista-lo, mudando-se para Seattle e para o Hospital onde este exerce, falha nessa sua intenção e troca Seattle pela Los Angeles.

Addison é constantemente assombrada pelas marcas da traição, que tendem a bloquear o desenrolar natural da sua vida amorosa, muito menos brilhante do que a sua vida profissional. Assistimos, ao longo destas 3 temporadas da série, às dicotomias existenciais desta personagem ambígua, perdida algures, entre a reconstrução interior de um ego macerado e as comuns tentações e quedas resultantes de um espírito de carácter muito mais inseguro do que o quer fazer parecer.

 

altNaomi  Bennett (Audra Mcdonald) – Médica Especialista em fertilidade, é a melhor amiga de Addison desde a faculdade. Tem uma filha em comum com Sam, Maya. Mestre na organização e na resolução de problemas, por vezes, parece ser a única capaz de usar o senso comum e a lógica. Forte, sem rodeios, troca a Clínica que fundou com o marido pela Pacific Wellness, da qual se torna directora, ocupando o lugar de Charlotte, com quem desenvolve um certo antagonismo.

 

 

 

altSam Bennett (Taye Diggs) – É-nos apresentado inicialmente como dono e chefe da Clínica “Oceanside Welness”, juntamente com a sua ex-mulher, Naomi. É autor de best-sellers e uma celebridade nacional em ascensão. Prático, responsável, é a pessoa de confiança da empresa, a pe dra de toque em  quem todos confiam, apesar de ainda não estar assente em solo firme. É quem mantém a ordem no caos em que se torna a Clínica. Leva a profissão e os relacionamentos muito a sério. Mantém a calma nos momentos de maior pressão.

altPete Wilder (Tim Daly) – Médico que se dedica às medicinas alternativas combinando as técnicas da medicina tradicional com a acupuntura, a botânica e a medicina oriental. É excepcional naquilo que faz, embora muito pouco convencional e convincente nos métodos que utiliza. Desde o primeiro episódio que criou um elo especial com Addison. Simpático e divertido, ainda sofre com lembranças do passado. Fechado em si, é muito relutante em falar dos seus sentimentos, enquanto não confia no seu interlocutor.

altCooper Freedman  (Paul Adelstein) –  É o médico Pediatra da Cínica e parece perceber mais de crianças do que de mulheres.  Tem uma inclinação para encontros on-line. Mesmo assim é bastante equilibrado, separa muito bem o trabalho da vida pessoal. Espontâneo e flexível é a pessoa com quem todos podem contar.

Violet Turner (Amy Brenneman) – É a Médica Psiquiatra do grupo, mesmo que ela própria sofra de stress pós traumático e ainda lute contra os fantasmas dos traumas que vivenciou. É a melhor amiga de Cooper. Acolhedora e empática, é o elo de ligação entre toda a equipa, restauradora da harmonia e paz da Clínica. O que não significa que o mesmo se passa consigo. Insegura e indecisa, torna-se incapaz de ver muitas vezes o que é melhor para si.

altCharlotte King (Kadee Strickland) – Directora Clínica do Hospital St. Ambrose, recebe uma proposta de trabalho da Clínica concorrente da Oceanside, a Pacific Wellness. Despedida, actualmente trabalha com o grupo agora gerido por Addison. Líder nata, destemida, embora muito vulnerável a nível sentimental, luta pelos seus intentos, nem que isso signifique chegar a pisar os demais, sem se importar com quem fica por baixo. Organizada e eficiente, peca por falta de simpatia, sendo muitas vezes mal interpretada pelos seus pares.

altWilliam “Dell” Parker (Chris Lowell) – Inicialmente trabalhava unicamente como recepcionista da Clínica, mas depois de completar os seus estudos como parteiro, passou a exercer a actividade no local, sendo o maior ajudante de Addison. Simpático, sensível, está sempre em sintonia com todos ao seu redor e quer bem a todos. Doce e atencioso também é querido por todos, apesar de, muitas vezes, se aproveitarem da sua boa vontade. Parece que Dell funciona em segundo plano, uma vez que só excepcionalmente o ouvimos falar dos seus próprios problemas. Tem uma filha, Betsy.

 

Curiosidades:

  • A série teve o seu episódio piloto num especial de duas horas de Grey´s Anatomy, que se focou na saída da Dr.ª Addison Montgomery do Seattle Grace Hospital e a chegada à Oceanside Wellness, em Los Angeles. (o que se designa vulgarmente por “Cross over”).
  • O 1º episódio da série foi criticado pelos telespectadores, que depois do sucesso de Anatomia de Grey, esperavam uma série de argumento mais maduro e realista.
  • Os actores secundários chegam a ter mais reconhecimento por parte do público do que a figura de proa, Kate Walsh, cuja personagem parece não agradar pelas suas flutuações, infantilidades e inseguranças.
  • Merrin Dungey foi anunciada para o papel de Naomi Bennett e chegou a fazer as duas horas do episódio piloto, mas acabou por ser substituída pela actriz Audra Mcdonald, quatro vezes vencedora dos prémios Tony.
  • Private Practice foi satirizada por dar a imagem mais deprimente da mulher desde a série The Bell Jar, dos anos 70.
  • O Edifício da Oceanside Wellness é, na verdade, um Banco de Sta. Mónica, Califórnia.
  • Sam e Addison vivem em casas fictícias construídas na praia, que na realidade rondariam os 4 milhões de dólares cada.
  • Desde 2008 que a série tem sido nomeada para vários galardões, tendo recebido, em 2008, o BMI TV Music Award, em 2009, o prémio da NAACP Image Awards para melhor actor secundário, pelo desempenho de Taye Diggs, enquanto Sam Bennett e, no mesmo ano, o Young Artist Award para melhor desempenho numa série de tv, do jovem actor Joey Luthman.

Porque devo ver esta série:

Os episódios variam de género e estilo regularmente, alternando entre o comum drama médico, o cómico, chegando por vezes até a atingir o insólito, o que torna a série mais fácil de agradar a um público vasto.

A série combina um elenco secundário de peso e absolutamente soberbo. Audra Mcdonald, Paul Adelstein (Prison Break), Tim Daly (The Sopranos), Amy Brenneman (Judging Amy), abrilhantam esta série dando-lhe rostos conhecidos.

Como tem um leque de actores mais reduzido, é fácil seguir as trajectórias de vida e biografias das suas personagens, mesmo sem ser um telespectador assíduo.

Mesmo irreais, as histórias e desapontamentos de Addison são, por vezes, hilariantes, trazendo bons momentos de entretenimento. A sua luta para ser uma pessoa melhor e a sua busca pela felicidade é algo que acabamos forçosamente por querer seguir.

 

O que pode ser melhorado?

A personagem principal podia ser aperfeiçoada. Vemos poucos sinais de progresso em Addison. Aquela que nos foi apresentada em Grey´s Anatomy como uma mulher sexy, forte e segura de si, aparece-nos, depois de deixar Seattle, como uma mulher imatura, indecisa e mesmo promíscua o que, como já referi, denigre a imagem geral da mulher.

Acho que a série perde coerência ao longo de cada temporada e mesmo entre episódios. Shonda Rhymes não junta todas as peças do puzzle, mudando demasiadas vezes os rumos da história, o que lhe retira credibilidade.

A reduzida equipa clínica que nos é apresentada, parece-se mais como um grupo adolescente em pleno liceu do que propriamente médicos em pleno exercício de funções. Na maior parte das vezes comportam-se como imaturos, egoístas, levianos. Caras bonitas, com um bisturi na mão. Quer-se uma série médica mais ligeira do que o comum, mas nada de exageros nesta intenção.

Os finais de Temporada (season finales) desta série são absolutamente estrondosos, prolongando-se pelos primeiros episódios, mas perdendo rapidamente o nível inicial de brilhantismo. Também nós acabamos, em minha opinião, por perder interesse, devido a estes picos de qualidade.

 

Onde posso ver:

3ªs feiras 22h30

Todos os dias 23h05, repetição: 09h50 e 19h

Tags

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close