Fora de Série

Liberdade 21

“Neste mundo de competição, em que ninguém quer revelar as fragilidades, a vitória é a única saída”.

É este o lema de Liberdade 21, uma série portuguesa produzida pela SP Televisão para a RTP que contou com 2 Temporadas e que relata o quotidiano competitivo de uma firma de advogados lisboeta, a Vasconcelos, Brito e Associados e todos os casos dos episódios são baseados em casos jurídicos reais, resolvidos por sociedades de advogados portuguesas, que os disponibilizaram à RTP.

Deixo-vos com os momentos iniciais do primeiro episódio desta produção nacional.

{youtube}bZ_iyzaeChw{/youtube}

Personagens Principais:

Raul Vasconcelos (António Capelo) – Um dos sócios fundadores do escritório, juntamente com Helena. Pouco ortodoxo nas suas práticas profissionais, Raul revelou-se um excêntrico, contudo, é também um homem de grande carisma. A fama e o sucesso tornaram-no cada vez mais absorvido pelo trabalho. Frontal e impulsivo não consegue calar um pensamento por mais inconveniente que possa ser, o que o coloca constantemente em situações embaraçosas.

altHelena Brito (Ana Nave) – Divorciada. Juntamente com Raul fundou a sociedade de advogados Vasconcelos, Brito e Associados. É uma mulher cheia de garra, muito dedicada ao trabalho e capaz de tudo para ganhar uma acção. Todos sabem que é ela que tem o poder de promover ou destruir carreiras dentro do escritório, e, por esse motivo, é tratada com grande deferimento pelos advogados mais novos. Por detrás da máscara de advogada dura e implacável está uma pessoa terna, sensível e com um grande coração. Mas são poucas as pessoas que lhe conhecem as fragilidades.

altAfonso Ferraz (Ivo Canelas) – Divorciado. Cresceu a ouvir o pai contar histórias de tribunais e isso definiu-lhe o rumo. Desde que se lembra que quis ser advogado. Foi sempre um aluno brilhante, mas muito reivindicativo, lutando pelas causas em que acreditava, e sem medo das consequências, o que lhe trouxe alguns problemas com o sistema rígido da faculdade de direito. A fama ficou-lhe, sendo considerado por todos como uma personalidade forte e combativa. Com os anos tornou-se um excelente advogado de barra, destacando-se em casos na área penal. Quando terminou o curso foi convidado para um dos grandes escritórios que procurava jovens ambiciosos. Mas como é um espírito independente e avesso a hierarquias nunca se fixou e foi saltando de sociedade em sociedade até que chegou à Vasconcelos, Brito e Associados onde lhe deram o espaço e a autonomia que procurava. Ao fim de pouco tempo passou a sócio e é, logo a seguir aos fundadores, uma das vozes mais importantes do escritório.

altSofia Martins (Rita Lello) – Solteira. É uma mulher sedutora e muito segura de si, o que intimida a maior parte dos homens. A sua especialidade é direito da família e das sucessões. Dedica-se muito ao trabalho, mas arranja sempre tempo para sair e beber um copo ao fim da noite para descontrair. Foi namorada de Afonso no primeiro ano da faculdade, quando este era Assistente. A relação falhou redondamente, mas ficou a amizade que continua a uni-los ao fim destes anos todos. A sua vida amorosa é uma montanha russa, com um namorado novo todas as semanas, mas quando as coisas acalmam acaba por se cansar e termina tudo. No entanto, a idade está a mudá-la, e agora que percebeu não ter muitos mais anos para ter um filho vai tentar desesperadamente criar uma família. O problema é arranjar o homem perfeito.

altPedro Pimentel (Albano Jerónimo) – Solteiro. É muito metódico, preparando os casos ao milímetro. Num primeiro contacto, ajudado pela sua boa figura, parece muito simpático e cordial, mas os colegas que o vão conhecendo melhor consideram-no frio e calculista. Dedica-se a várias áreas do direito mas a sua grande especialidade é direito comercial. Pedro é uma espécie de autómato, nunca se descontrola – não há registo de alguma vez se ter embebedado, nem nos tempos de faculdade – e essa forma de ser domina toda a sua vida.

altFrancisco Lemos (Rúben Gomes) – Solteiro. Foi contratado como estagiário, pelo que tem seis meses para provar o que vale. Está disposto a fazer tudo o que for preciso para dar nas vistas e provar o seu valor, mas os casos que lhe vão parar às mãos são completamente insignificantes. Mas, um dia, é-lhe dada a oportunidade de trabalhar num grande caso. O problema é que a inexperiência sobrepõe-se ao desejo de vencer.

Vera Tavares (Inês Castel-Branco) – Apesar do nome sonante é apenas do braço “pobre” de uma família muito bem. Bonita, simpática, comunicativa, esperta e desenrascada, é, na realidade, um lobo debaixo de pele de cordeiro. Pouco a pouco vai revelar ser também intriguista, mentirosa, falsa, manipuladora e pouco escrupulosa, capaz de recorrer a todos os meios para atingir os seus fins: a curto prazo, ser uma das escolhidas para continuar no escritório; a médio, ser sócia do mesmo. Francisco vai ser uma das suas vítimas mais frequentes, e Pedro ora cúmplice ora rival. Curiosamente, Raul, o “engatatão mor” do reino, será o único a resistir sempre ao seu charme e sedução.

altJúlia Paixão (Cleia Almeida) – Solteira. Apesar de ter estudado teatro no Conservatório acabou, por necessidade de sobrevivência, por se candidatar ao lugar de secretária. O currículo não se adequava ao cargo, mas como gostaram do seu ar despachado decidiram contratá-la. Júlia vai apaixonar-se por Afonso, mas não faz nenhuma investida, até porque sabe que ele ainda ama a mulher. No entanto, mantém a secreta esperança que um dia Afonso olhe para ela com outros olhos.

Razões para ver:

  • Os actores são absolutamente soberbos, principalmente o trio composto por Ivo Canelas (Afonso), Rita Lello (Sofia) para mim, os pilares da série, e Ana Nave (Helena). Papeis bem interpretados, agradáveis, que prendem a atenção. O tom exacto, na altura certa, com a dose correcta de dramatismo.
  • Embora tome como inspiração as boas séries americanas das barras de tribunais como Boston Legal, não sendo propriamente uma ideia original, estamos perante um produto interessante e inovador no nosso país, comparando com o que fizemos e tivemos no passado. Para mim é um novo passo numa nova direcção para a ficção nacional que merece ser (re)considerado.
  • Os argumentistas da série usam temas pouco explorados na ficção, embora muito focados em talk shows e afins (como o do homem que mudou de sexo e não consegue mudar o género no B.I, sendo uma forma de desmitificar tabus ainda existentes da nossa sociedade.

 

Para melhorar:

  • Os casos apresentados em alguns episódios mereciam maior desenvolvimento. Para não ficarem em aberto, muitos casos foram resolvidos “cedo” demais, sem maiores explanações, sem mais “emoção” o que poderia confundir a audiência ou empobrecer a serie.
  • O mesmo se passa relativamente aos diálogos. Apesar de brilhantemente escritos e dirigidos, muitos parecem surgidos do nada, ou ligeiramente forçados, fora do “tom”.
  • Embora procure inovar, fazendo da câmara o olhar do público, muitos episódios exageravam um pouco nas mudanças bruscas de planos.

 

Curiosidades:

  • Liberdade 21 teve um crossover com Pai à força, (quando um advogado da firma representou Miguel, um médico cirurgião plástico que se viu obrigado a criar três crianças órfãs), algo, até à data, inédito em Portugal.
  • Toda a série é filmada em estilo documentário, conferindo-lhe de mais realismo. Como se as imagens captadas pela câmara fossem os nossos próprios olhos, nunca estáveis e sempre em busca dos detalhes.
  • Vários actores do remake de Vila FaiaRita Lello, Inês Castel-Branco, Albano Jerónimo, Ruben Gomes (transmitida pela RTP na mesma época de Liberdade 21) transitaram da novela para a série bem como outros actores principais da novela que aqui fizeram aparições. Caso de Simone de Oliveira, Gonçalo Diniz, Sofia Sá da Bandeira, entre outros.
  • O cenário da Vasconcelos, Brito e Associados é o mesmo da empresa de vinhos Marques Vila. O elevador, a posição da secretária, os corredores, mantêm-se nas duas “empresas”, com decoração diferente.
  • Na reposição dos primeiros 6 episódios da 1ª Temporada (transmitidos em horário nobre e em dias úteis) a série conseguiu níveis de audiência superiores.
  • Liberdade 21 é uma referência à localização dos escritórios desta sociedade de advogados, cuja morada é Avenida da Liberdade, n.º 21.
  • Todos os episódios começam com o mesmo tema “Trânsito 21”, composto propositadamente para a série, e terminam com um dos personagens a caminhar sozinho pela baixa lisboeta ao som da música “Lonesome No More“, simbolizando a solidão interior e social dos protagonistas da série, que embora competitivos e assertórios numa sociedade cruel e dura onde só importa vencer, se revelam frágeis e débeis na sua condição humana.

 

Liberdade 21 é, portanto, uma iniciativa louvável da tv portuguesa. Uma série diferente, arrojada, com vontade de explorar novas temáticas. Por isso, acredito que o grande mérito deste produto reside aí.

alt

Tags
  • A série é realmente mt boa. Tenho pena q apenas agora a tenha descoberto. Alguém me poderá informar sobre onde posso ver a 3ª Temporada? Sei q na RTP1 têm passado a ultima temporada, mas já está na fase final…. Obrigada

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close