Fora de Série Rubricas

«Hotel 5 Estrelas»

Fora de Série2012

Fora de Série2012

Bem-vindo a mais uma edição do Fora de Série. Esta semana abordamos uma das recentes apostas da RTP1 para os finais de tarde de sábado. Em concreto, a série que trata do hotel de Júlio Pinhão, um «Hotel de 5 Estrelas»… (Não literalmente, as 5 estrelas são só de nome)

Em Hotel 5 Estrelas, Júlio Pinhão (José Pedro Gomes), é um ator de pequenos papéis que se vê obrigado a ficar com a gestão do hotel de família, após a morte do pai. Após assumir a gestão, é abandonado pela mulher, assim que o hotel passa de 5 para 4 estrelas, que vai viver com o seu mais rival, Lázaro Matos, dono do Resort Spa & Resort. Já naquilo que se pode ver desde o primeiro episódio da série, no hotel, trabalham as pessoas menos apropriadas para os respetivos cargos. Carolina e Sérgio Pinhão, respetivamente, mãe e filho de Júlio,  moram no hotel, e se ela culpa o filho pelos fracassos do hotel, o filho, ajuda ao afundanço, oferecendo vouchers para passagens de noite com tudo pago, a raparigas que conhece. Dos funcionários, a empregada da limpeza, interpretada por Dânia Neto, é a única que se escapa, e que tem lucidez no meio de tanto disparate feito pelo cozinheiro-que-não-sabe-cozinhar Malhão (Vítor Espadinha), a gestora que supostamente é a salvadora e que tem ideias estranhas, Teresa Capello (Susana Mendes), e o não menos estranho rececionista, Orlando, encarnado pelo recém-falecido ator, Bruno Simões.

A série, é uma sitcom, com assinatura de Frederico Pombares e Henrique Dias, e tem um estilo mais popular. Sem grandes diferenças, ou rasgos de criatividade, para com outras produções de cariz semelhante. Cumpre a função de entreter, mas não mais do que isso. Quem viu, como eu, os episódios até agora transmitidos, repara facilmente que é uma série completamente surreal. Desde o facto do hotel sobreviver com tão poucos (ou nenhuns) hóspedes – isto claro para além da mãe e filho de Júlio -, e com tanto custo (só as amigas que Sérgio leva até ao hotel devem acentuar o prejuízo), ou mesmo pela natureza dos malentendidos que suportam o humor da série.  Um dos pontos negativos, prende-se com a duração. 45 minutos é muito para uma série de comédia, e leva, inevitavelmente, ao típico “encher chouriços”, para fazer tempo. Se fosse mais dinâmica, talvez tivesse melhores resultados, mesmo sabendo que a nova grelha da RTP1 esteja, imerecidamente, a ser mal recebida. Mas uma série de comédia devia ter, ao estilo americano, a rondar os 25 minutos. É tempo que faz a série voar literalmente no tempo, sendo bem feitas nem se toma noção do tempo a passar. É uma hipótese, reduzir o tempo, e aumentar os episódios, isto, se o objetivo é rentabilizar o custo de construção da série e cenários.

O Fora de Série regressa na próxima semana, com uma nova análise.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close