Fora de Série Rubricas

«Depois do Adeus»

Fora de Série2012

Depois do Adeus Logo
No «Fora de Série» desta semana abordamos uma das novas séries da RTP1, estreada com a estreia da nova grelha em janeiro deste ano.

«Depois do Adeus» tem como protagonista a família Mendonça, composta por Álvaro, empresário, Maria do Carmo, dona de casa, e pelos filhos Ana Maria e João, dois jovens habituados à tranquilidade de Angola. Essa tranquilidade, aqui entra a realidade vivida por muitos à época, tem o fim com o início da guerra civil angolana em 1975, tornando as pilhagens a várias casas, principalmente às de portugueses que sempre fizeram vida por lá, numa contante. Na ficção, a família chega a Portugal da forma mais comum naquela altura: inteiros mas com nada ou pouca coisa, e tudo se agrava quando o dinheiro ganho em Angola durante a vida de trabalho não chega, o país em constante convulsão, e a má receção que os locais fazem aos “retornados”. Aos ‘Mendonça’ salva-se a ajuda da irmã de Álvaro, Natália Cardoso, uma dona de casa à moda portuguesa, reprimida e conservadora, que não se dará bem com a esposa do empresário angolano. Além desta, a família Cardoso é composta por Joaquim, contabilista numa fábrica do ramo da metalúrgica – também ela em revolução de trabalhadores -, e pelos filhos Luísa e Pedro, dois jovens estudantes universitários que formam – juntamente com Gonçalo e Jorge – um grupo politico com ideiais inspirados no maoismo do chinês Mao tse Tung. Além destes personagens, há ainda o casal Daniel e Joana – ele um revoltado que com o seu desenvolvimento em Lisboa, acaba por se tornar numa pessoa violenta, e descarregar alguma da sua frustração na esposa -, Teresa – que perde o marido em Angola e acaba por vir para Portugal sozinha -, e a família Figueiredo, família que esteve também em Angola, e que em Lisboa é dona do café Kuanza.

Quando se olha para Depois do Adeus é impossível não me relembrar o Conta-me como Foi, das melhores séries feitas por cá e uma pena não ter tido mais público e ter sido muito mal tratada durante os anos de emissão pela direção de programas de José Fragoso… Mas é outra história. Depois do Adeus pega no ponto da história onde Conta-me como Foi terminou: no 25 de abril de 1974. Pega no fio da história real portuguesa – é certo que sendo um produto de ficção contém erros e formas, que mesmo não sendo intencionais, possam enviesar a forma como uma pessoa mais desinformada sobre o período em questão se percebe a história. Num dos pontos mais positivos da série é a ambientação aos anos setenta, seja em termos de cenários – muito bons, por sinal -, guarda-roupa, formas de estar e principalmente na utilização do chroma – o pano verde em que se insere o cenário pretendido em pós-produção -, tornando tudo mais real, isto apesar de sabermos, à partida, que são gravações.

Na próxima semana o Fora de Série estará de volta.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close