Fora de Série

«Copper»

Fora de Série2012

Qualquer que seja a série que tenha, no seu core, algo relacionado com história, fica-me na mente como um possível programa a ver. Juro, caro leitor, que eu não sei de onde vem esta adoração pela História Mundial dado ser um rapaz das Ciências Exactas. Mas o que é certo é que séries como “The Tudors” e “The Borgias”, deixaram-me a salivar pelo género, a querer conhecer mais este mundo das séries históricas e dos contextos que elas procuram recriar e mostrar ao espectador.

Os ingleses são exímios nas séries que criam e desenvolvem. Não posso descurar a sua mão nas duas séries que acima referi. E “Copper” não foge a esta regra. Sendo a primeira série que o canal BBC America alguma vez produziu, a história teria de ser forte, as personagens carismáticas e tudo num ambiente cativante. Após termos passado metade da primeira temporada, só me resta congratular o excelente trabalho de toda esta equipa que nos traz uma história de um polícia em busca da verdadeira razão para o desaparecimento da sua mulher e a morte da sua querida filha, no ambiente nova iorquino de 1864.

A história, à primeira vista, pareceu-me algo simplória e sem graça. E o leitor provavelmente pensará o mesmo que eu pensei quando vi o trailer. Mas o que é certo é que este género de séries costuma ter um leque de personagens cujas histórias de vida são muito intensas e emocionais e facilmente entram em conflito com algumas decisões da vida presente. E “Copper” consegue desenvolver muito bem isso ao ponto de não só mostrar os conflitos interiores das personagens como ainda faz um olhar à corrupção daquela altura e tece todos os limites que aqueles que têm poder estão dispostos a transpôr.

E claro, não podemos negar o elevado nível de imprevisibilidade que a série demonstra à medida que a história se vai desenvolvendo. E, mais ainda, a história não fica parada no primeiro episódio, como sucede com algumas séries americanas, e resolve aquilo que tem a resolver logo para o espectador não ficar a matutar naquele assunto e a criar uma grande expectativa e vê-la, no final, destruída por uma resolução sem sal.

“Copper” demonstra-se crua, verdadeira e intensa. Algumas das personagens mostram-se interesseiras, corruptas. Outras simbolizam o que de melhor existe numa sociedade. Outras são ainda o reflexo da própria sociedade que se construía: indecisas, cheias de medo, sem ambição. “Copper” faz-nos um retrato de uma população que a pouco e pouco evoluía e se transformava numa das maiores potências económicas actuais. “Copper” mostra-nos um dos lados do grande tema da História Mundial que muitos de nós não conhecem e é, sem dúvida, uma das minhas favoritas actualmente.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close