Fora de Série

Conta-me Como Foi

Seja muito bem-vindo ao Fora de Série desta semana.

É apelidada por muitos como a melhor série portuguesa de sempre, eu prefiro dizer que é uma das nossas melhores criações, – ou adaptação, neste caso, já que o original é espanhol, e dá pelo nome de Cuantáme como Pasó -, digo “prefiro”, porque nestas coisas das séries é muito difícil fazer comparações com produtos tão diferentes. De séries históricas, é certamente a melhor. No conjunto, já se sabe, depende dos gostos de cada um.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=t39jdK48E8Y]

«Conta-me como Foi», estreou em 2007, mais concretamente no dia 22 de abril. Entre os atores, destaque para Rita Blanco, Miguel Guilherme e Catarina Avelar.

A ideia, e diga-se, bem conseguida, da série, é retratar o Portugal pré-revolução de abril de 74. Começa em 1968, com um ritual, hoje banal: a compra do televisor lá de casa. Numa altura em que a televisão tinha pouco mais de 10 anos de existência, era o meio predilecto  dos protugueses, e um verdadeiro acontecimento, dado o elevado custo do aparelho para a época em questão. António trabalha no ministério das finanças e na tipografia do Eng. Ramires; Margarida é , tal como a maioria das mulheres nesta altura dona de casa, mas uma dona de casa que se quer tornar independente financeiramente do marido. Hermínia é uma mulher de família, conservadora e que gosta pouco das chamadas “modernices”. Quanto aos filhos, Isabel, é sonhadora e um misto de conservadorismo no papel da mulher na sociedade e sentimento de independência. Toni, é o filho do meio, tem 18 anos, está a um passo de entrar na universidade, tem a rebeldia típica da sua idade. Acaba por desistir do curso de Direito, ingressando no trabalho na construção civil. O filho mais novo de Margarida e António é Carlitos, inventa muito e tem tendência para armar confusões à família.

Um dos aspetos que mais aprecio na série, é como tudo está montado, a minúcia nos detalhes, o facto de nada do Portugal de então passar ao lado da equipa que produziu a série, faz dela a melhor e menos maçadora – um dos grande problemas que, normalmente, as séries de época têm –  que se fez no nosso país. Destaco o episódio “Morte Natural”, como o melhor de toda a trama.

O pior aspeto da série é a forma como o 25 de abril (não) foi abordado. Foi um fim indigno duma série que merecia bem melhor. Acabar com a notícia do 25 de abril e nada mais, é muito pouco. O lado positivo, é que brevemente chega a sua sequela, intitulada «E Depois do Adeus» e que aí sim, teremos este episódio da nossa história bem abordado, isso sim, sem a família Lopes e companhia, mas com novas personagens e cenários distintos. A história não se apaga, e o «Conta-me como Foi» fê-la.

O Fora de Série, regressa na próxima semana, com mais uma análise. Até lá!

  • anon

    A Série vai voltar de novo?!?!

    • Davidf2012

      Olá Anon, o «Conta-me como Foi» não vai regressar, o que irá estrear brevemente na RTP1 é uma sequela desta série, chamada «E Depois do Adeus», que retrata Portugal a partir do 25 de Abril.

      Para mais informações, podes ler este artigo do nosso site, com a história dessa série: http://www.atelevisao.com/rtp/a-historia-de-depois-do-adeus/

      E o elenco da mesma: http://www.atelevisao.com/rtp/o-elenco-completo-de-depois-do-adeus-com-fotografias/

      Obrigado pelo teu comentário, e obrigado por visitares o A Televisão. 🙂

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close