Falar Televisão

Valor (des)acrescentado

 

Não me canso de dedicar estas linhas a Iva Domingues. Basicamente, porque ela é o melhor exemplo de como na nossa televisão o talento não é sinónimo de trabalho e popularidade. Na entrevista que a apresentadora concedeu à edição desta sexta-feira da Notícias TV, é notório o desconforto profissional que Iva sente, ainda hoje. Pondo de parte todas as hipocrisias, Iva tem-se tornado, verdadeiramente, numa bombeira de Queluz de Baixo. Aquela que substitui quando um dos apresentadores de primeira linha falha.

Mas o que mais irrita nesta história é que Iva substituiu tão bem ou melhor do que os apelidados apresentadores “principais”. Em todo o tipo de formatos, em todos os horários. Ela mesma se classifica como a “melhor de Portugal” no que toca a versatilidade. Mas de que lhe vale essa versatilidade quando, afinal de contas, não há um espaço para Iva?

A insurreição contra o marasmo profissional em 2008, 5 anos depois de ter pegado no Quem Quer Ganha, saiu-lhe muito caro. Ela própria também o admite. Mas, por uma questão de justiça, é inadmissível que uma cara como a de Iva seja constantemente renegada do pequeno ecrã quando apresentadoras tão medíocres poluem os nossos ecrãs em consecutivos projetos, ocos e desagradáveis, à semelhança delas mesmas…

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close