Falar Televisão

Tardes não muito boas

Falar_Televisao 2012

Se por um lado 2013 está a correr muito bem à SIC no horário nobre, por outro lado o day-time da estação continua pelas ruas da amargura. Querida Júlia, a grande aposta de 2011 em Carnaxide para reconquistar as manhãs perdidas há vários anos, continua a milhas do Você na TV (e se não fosse a entrada da GfK poderia ainda estar a discutir o 2º lugar com a RTP1).

Mas à tarde o panorama não é muito melhor. Goste-se mais ou menos do programa, Boa Tarde é indiscutivelmente um flop. Solução encontrada após a saída de Fátima Lopes para a TVI, o programa que prometia ser um «projecto diferente de tudo o que existe» pegou numa cara histórica da informação da SIC (que deu a cara por formatos populares como o Praça Pública ou o Nós por Cá) e transferiu-a para o entretenimento. Com o tempo, o formato e a apresentadora evoluíram, o programa surgiu renovado em 2011, os resultados pareceram dar sinais de recuperação e Boa Tarde chegou a discutir a liderança com a TVI. Mas nos últimos meses a tendência inverteu-se, e sucederam-se os recordes negativos de audiência.

Boa Tarde logo

Ao contrário das manhãs, em que a TVI tem shares esmagadores, no horário vespertino a concorrência não se pode ficar a rir. A Tarde é Sua é líder indiscutível no horário, é certo, mas raramente consegue resultados expressivos. Na RTP1, Portugal no Coração afundou depois da saída de Tânia Ribas de Oliveira e João Baião para as manhãs. Cada vez mais o cabo é dono e senhor das tardes da televisão portuguesa. Os espectadores (particularmente os mais jovens) procuram alternativas no cabo aos talk-shows das generalistas.

Apesar dos péssimos resultados das tardes (como das manhãs), a SIC tem optado por manter o programa no ar, introduzindo novas rubricas e conteúdos, mas os resultados tardam em aparecer. Não se pode dizer que o problema seja a necessidade de tempo para fidelizar público, porque o programa está no ar há mais de 2 anos e meio, sendo até mais antigo que A Tarde é Sua. Embora Boa Tarde me pareça mais dinâmico que a concorrência, Conceição Lino não conseguiu conquistar o público. Não seria fácil para a SIC, depois de Lino ter abandonado a já longa carreira de jornalista para abraçar este projecto, terminar com o programa. Mas, para uma estação que ambiciona conquistar a liderança diária, é insustentável ter o programa da tarde a fazer 10% de share.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close