Falar Televisão

Os canais clubes

Um dos aspetos da televisão que mais frequentemente me faz refletir é o clubismo dos telespetadores. Tal como no desporto, também as discussões sobre televisão acabam por ser bastante conflituosas. Certamente que cada um terá o seu canal favorito (e tem esse direito), mas teoricamente essa seleção deveria ser feita pelo conteúdo e não consumir tudo o que é oferecido simplesmente por ser do canal X ou Y. Se o fanatismo no futebol é reprovável, o mesmo deve ser no que respeita à relação dos portugueses com a caixinha mágica.

É óbvio que teremos mais compreensão para um erro do nosso canal favorito, arrasando caso seja da concorrência. Ora isto é o que mais se vê por essas redes sociais, fóruns, etc. Os portugueses, por natureza, comem tudo. Não questionam. Receiam a mudança, porque isso implica sair da zona de conforto. A televisão é encarada como uma companhia mas também como uma competição entre canais.

Eu acredito que todo e qualquer fanatismo só leva a mentes fechadas e, em última análise, é a própria pessoa que sai prejudicada, pois em vez de usufruir do melhor que há, usufrui apenas do que lhe é oferecido pelo seu canal favorito. O que é triste. Esta relação com a televisão acaba por ser uma restrição voluntária à nossa liberdade. À liberdade de escolha quanto ao que vemos e, simultaneamente, existe uma descriminação de acordo com a marca que está por trás de um certo produto. Exemplo disso são as recentes (nem tão recentes assim) transferências da TVI para a SIC, da RTP1 para a TVI e da SIC para a TVI. Rapidamente se passa de bestial a besta só porque mudaram de camisola, parecendo que os ares da estação concorrente estão poluídos e de repente as pessoas deixam de ser competentes…

Cada canal tem os seus pontos fortes e fracos, nenhum é perfeito (surpresa!). Se a RTP1 se destaca na informação, a SIC no entretenimento, a TVI é mais forte na ficção. Sei que a guerra é sobretudo entre SIC e TVI, mas basta! Vamos ver televisão. Apreciar o que de melhor cada canal tem para oferecer.

Embora a competição seja necessária, é óbvio que existirão sempre as audiências, há que ter maturidade e apostar numa visão mais global da televisão. Do ponto de vista cultural é o mais enriquecedor e só melhorará as discussões sobre televisão que se têm por essa internet a fora.

Se os canais tentam aproximar-nos deles, com estratégias de marketing, nós temos de nos distanciar, pois há mais do que a TVI, há mais do que a SIC, etc… a televisão nacional e internacional têm muito para oferecer. Importa é saber quem está receptivo. Eu estou.

  • aNonimo

    Objectivamente nao entendi a cronica nem tao pouco o titulo da mesma

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close