Falar Televisão

O Elo mais Forte

O dia de ontem foi marcado pela estreia de Pedro Granger na apresentação de O Elo Mais Fraco e pelo primeiro capítulo da nova novela da estação de Carnaxide, Rosa Fogo. Apesar de não ter acompanhado nenhuma destas ofertas televisivas, a verdade é que, em termos de audiência, esperava um pouco mais. Se Rosa Fogo se ficou pelos 10,6% de audiência média, O Elo Mais Fraco não foi além dos 7% de rating. Sendo estas duas das grandes apostas da SIC e RTP1 para a reentré televisiva, respetivamente, não terão sido estes resultados um pouco abaixo das expetativas?

Sim, na concorrência estava o primeiro diário da Casa dos Segredos mas, mesmo assim, não considero que essa tenha sido a grande razão para os valores alcançados. Com toda a promoção desenvolvida nos últimos tempos, com as aulas de tango a percorrer o país, com a exposição mediática de Pedro Granger, a propósito da sua saída da TVI para a RTP1, os números deveriam ter sido superiores.

É verdade que, tal como é normal, uma novela do terceiro canal nunca se estreia com um grande resultado, contudo, e após o sucesso de Laços de Sangue, pensei que tal poderia acontecer. Não aconteceu. Agora é esperar que Rosa Fogo cresça no horário nobre, de forma a conseguir o sucesso que a sua antecessora alcançou. No caso de O Elo mais Fraco, basta dizer que é um concurso da RTP1 e, como tal, a maioria dos telespetadores preferem acompanhar a vida de 19 pessoas fechadas numa casa vigiada 24 horas por dia ou um novo conjunto de personagens de uma nova novela a entrarem diariamente em sua casa.

Apesar destas duas estreias não terem correspondido às minhas expectativas em termos de valores audiométricos, a verdade é que esperava também do início da segunda temporada de Casa dos Segredos uma melhor performance. Com o regresso de Teresa Guilherme à apresentação em Queluz de Baixo, com o mistério criado em relação aos novos segredos escondidos pelos concorrentes e pelas próprias saudades que os portugueses demonstravam sentir do formato, 15,1% de audiência média foi apenas um bom resultado. Se tivermos em conta o passado, Júlia Pinheiro alcançou exatamente o mesmo valor, contudo com um share mais elevado (48,5% contra 45,1%).

Por outro lado, de salientar que, se no domingo a TVI venceu o dia, nesta segunda-feira o conjunto dos canais temáticos voltaram a ficar à frente.

Os tempos são outros, definitivamente… E os segredos para esta alteração súbita do consumo televisivo continuam a ser um mistério!

  • Anonimo

    acho um piadao as pessoas fazerem cronicas de coisas que nao viram… e juizo nao?

  • Patrício

    Pois…pois…todos se julgam muito entendidos na matéria…

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close