Falar Televisão

Movimentos poucos revolucionários

Falar_Televisao 2012

Sem imagens rasuradas ou a censura do lápis azul, símbolo da ditadura portuguesa do século XX, é em grande parte à Revolução do Cravos, que hoje comemora 39 anos que este site como muitos outros existem e que estou neste lugar e nesta posição a escrever abertamente sobre o que se passa em televisão.

Quase quatro décadas depois, o povo é obrigado a voltar à rua, a gritar pelos seus direitos e a ecoar como foi e o que aconteceu depois do adeus, como se de o antigamente se tratasse. Grândola Vila Morena, volta a fazer parte do imaginário da maior parte dos contestatários que se revoltam contra o governo ou as políticas impostas pela Troika.

Mas é do papel que a televisão ocupa em todo este filme, que esta cronica se vai debruçar. A educação o fomento da cultura não se dão apenas na escola ou num museu. A caixinha que mudou o mundo, mudou também este país à beira mar plantado e mudou com ele e com a revolução. A RTP de hoje não é, sem duvida, a de há 39 anos atrás e não estou a certamente a falar de share ou de rating. E o aparecimento dos canais de televisão privados, não apareciam nem em sonhos de António Oliveira Salazar, aquele que os portugueses elegeram o «maior português de sempre» num programa da estação pública.

O papel acima referido não se enceta nem se reduz apenas à RTP1 e à RTP2, é aliás a todas as outras televisões que têm até por lei a obrigação de cumprir a sua quota parte de serviço público. Levar, ensinar e fomentar os valores e história àqueles que mal a conhecem ou querem dela tirar o maior partido é uma das funções que se exigem à emissoras. Seja através de informação ou do entretenimento, o importante é passar a mensagem, ao invés de dedicar a tarde do feriado à emitir filmes como O dia em que a Terra tremeu ou Soldados da Fortuna.

Porque a história não se acaba hoje e os retratos de uma revolução são a melhor forma de se recordar um período. Um pouco mais de sensatez e de menor visão capitalista não ficaria mal aos responsáveis dos canais que devem em grande parte o lugar que hoje ocupam aos que iniciaram um processo revolucionário e devolveram a democracia a Portugal.

 

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close