Falar Televisão

Luzes, Bebés e outros

O espetáculo acabou. As luzes do palco desligaram-se, os artistas saíram e a imprensa já se pronunciou sobre os melhores momentos.

Claro que me refiro aos MTV Video Music Awards 2011, do passado Domingo, dia 28, e que mais uma vez não desiludiram. Aqui estão. para mim, os momentos-chave da cerimónia.

O alter-ego de Lady Gaga, Jo Calderone, decidiu abrir a cerimónia com um discurso tanto ou quanto estranho: “A Lady Gaga diz que sou como os outros todos” ou ainda “Ela é doida, entra na casa de banho de saltos, e quando sai, vem toda molhada, e ainda com a porcaria dos saltos!”. Seguiu-se um bom momento de música, com a interpretação de You and I e onde marcou presença um ícone dos Queen, Brian May.

Jay-Z e Kanye West irromperam pelo palco para a tão aguardada atuação de Otis, o single do álbum conjunto The Throne. Deixaram a marca do rap/hip-hop naquela noite.

A atuação de Chris Brown deixou-me de boca aberta. Saltos, pulos, suspensões no ar e cambalhotas fizeram-me estar preso ao ecrã duram toda a performance. Gostei bastante e achei a ideia, não original (claras influências de Usher e Michael Jackson), mas bem executada.

O tributo a Britney Spears foi insípido, rápido e sem propósito. Já vi tributos melhores e onde de fato se pretendia homenagear o artista em vida, mais bem planeados e extensos. Acho que esse foi um dos problemas, a curta duração e o teor do tributo (podiam ter outros artistas a homenageá-la, o que inicialmente se pensava ser o caso).

Beyoncé, e Bruno Mars com o tributo a Amy Winehouse, foram as estrelas da noite (a primeira bateu recordes no Twitter!). Love On Top foi a música escolhida pela Queen B para surpreender a plateia. Mas não foi apenas a performance e a poderosa voz que levaram as pessoas à loucura: o anúncio da sua gravidez deixou todos os fãs, paparazzi e celebridades de boca aberta! Jay-Z delirou com o anúncio público, em que Beyoncé, orgulhosa, esfregou a barriga e sorriu para o público.

Bruno Mars teve o seu momento quando interpretou Valerie, de Amy Winehouse. Inesquecível. Foram também mostradas cenas do dueto de Amy com Tony Benett, uma última e carinhosa lembrança da artista que abriu o caminho para Duffy, Adele e outras vozes peculiares.

Esta última, Adele, também brilhou (como sempre!). A voz impressionante, a pose e a força das palavras movem qualquer um.

Lil’ Wayne encerrou a cerimónia de uma forma horrível, na minha opinião. Acho que é daqueles artistas inconstantes e sobrevalorizados.

Penso que de uma forma geral, este evento correu pelo melhor. Foram uns típicos VMAs, cheios de surpresas, talento e música.

Veja aqui a lista de vencedores!

 

 

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close