Falar Televisão

Há volta do banco

Nestes dias acompanhei um pouco do programa da RTP1 «Há Volta!» que faz a antevisão diariamente da Volta a Portugal em bicicleta. Dei por mim a pensar na quantidade de apresentadores que a estação pública tem no banco de suplentes. É curioso verificar que têm um trabalho tão sazonal… apenas nestes formatos de verão, ou em situações muito esporádicas, têm direito a comandar um dos programas diurnos da RTP.

Se por um lado é de louvar a RTP, pelo menos, dar alguma oportunidade a estas caras, questiono-me como será possível um apresentador manter-se tanto tempo à sombra de outras estrelas. Será que não haveria espaço para eles noutros canais, noutros projetos? De facto, é possível que não, já que também os outros canais têm ‘demasiados’ apresentadores.

Agora, isto leva-nos a outra questão que tem a ver com a quantidade de atores que se tornam apresentadores e, por vezes sem grande aptidão para isso. Será que vale mesmo a pena ‘estragar’ um bom ator, para ter um apresentador medíocre? Quanto a mim não, mas é o que as generalistas, em particular a SIC e TVI insistem em fazer. Por que não dar antes espaço a estas caras que estão na prateleira em vez de andar a forçar adaptações difíceis? Bem, eu sei a resposta – porque são caras mais mediáticas.

Contudo, não é a melhor estratégia para nenhum dos canais, ou antes, para aqueles que querem oferecer qualidade de conteúdos e na apresentação dos mesmos. Se o objetivo é audiências oferecendo programas péssimos, então será a melhor aposta, sim. Deixem-nos no banco…

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close