Falar Televisão

Grão a grão enche a RTP1 o papo de espectadores

Falar Televisão

Falar Televisão

A estação pública tem apostado em diversos formatos para conquistar novamente os portugueses, levando assim à subida de audiências e à concretização do seu objetivo: chegar aos 22% de share médio diário até ao final de 2014. É certo que ainda está muito longe de chegar à meta, mas já diz o ditado popular «Roma e Pavia não se fizeram num dia».

A renovação total da RTP1 deu-se em janeiro passado com uma mudança radical no grafismo e na programação. Os concursos em horário nobre extinguiram-se e deram lugar a programas de Informação e séries portuguesas. A primeira aposta foi Sinais de Vida – série de 80 episódios protagonizada por Joaquim Horta, Dalila Carmo e São José Correia – que ficou aquém das expectativas. Registou uma média de 2,3% de rating e 4,1% de quota de mercado, cerca de 220 mil espectadores em média. Esta série chegou ao fim em meados de maio e, como tal, de forma a dar continuidade ao trabalho iniciado, a direção de Programas da RTP1 estreou logo uma nova série.

Bem-vindos a Beirais foi a escolha de Hugo Andrade, diretor de Programas, para o horário nobre da estação do Estado. E, analisando todo o percurso da série até agora, foi a escolha certa. Nos primeiros 50 episódios, a média geral da série protagonizada por Pepê Rapazote, Oceana Basílio e Sandra Santos é de 3,7%, mais ou menos equivalentes a 351 mil espectadores, muito superior à média geral – dos 80 episódios – de Sinais de Vida. No entanto, os bons resultados de Bem-vindos a Beirais não se ficam por aqui porque a série já conseguiu chegar 500 mil espectadores num só episódio. Uma aposta mais que ganha que fez com que a direção de Programas do canal, para além de aumentar o número de episódios de 80 para 100, colocasse em marcha a produção de uma segunda temporada.

Outro exemplo do bom trabalho que a direção da RTP está a fazer é nos programas de entretenimento de sábado à noite. Começou com a tímida aposta de Feitos ao Bife – primeiro gravado e apresentado por Catarina Furtado e depois em direto conduzido por Vasco Palmeirim. O formato de talentos produzido pela Fremantle Media registou uma média de média de 383 mil espectadores. Para substituir este formato, a RTP1 escolheu Sabe ou Não Sabe, desta vez produzido pela Shine Iberia, e apresentado também por Vasco Palmeirim. A escolha não podia ser a mais exata visto que só na estreia o programa alcançou 6,1% de audiência e 16,1% de share, uma média de 579 mil e 500 espectadores. Com este resultado, Sabe ou Não Sabe quase que deixou a RTP1 em segundo lugar na média geral dos canais generalistas com 16,2%. A SIC obteve 17,2%.

Isto tudo para dizer que aos poucos, a nossa (sim, porque é de todos nós) estação pública vai recuperando o que há muito perdeu, espectadores. Aplicando outro ditado popular «Depressa e bem não há quem», logo, ao fim de oito meses de mudança os resultados não podiam ser mais positivos. Hugo Andrade está a focar-se em primeiro lugar nos horários que considera importantes para a estação recuperar as audiências perdidas. Grão a grão enche a RTP1 o papo de espectadores.

  • Eueu

    Colocá-se???

    Não é por nada, mas é muito grave.

    Corrijam para “colocasse” por favor!!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close