Falar Televisão Rubricas

O futuro da RTP

FalarTelevisãodestaque

Falar Televisão

Na semana passada o Governo apresentou as linhas gerais daquilo que pretende fazer com a RTP nos próximos anos. Depois de vários estudos e grupos de trabalho com utilidade discutível, e de inúmeros cenários terem sido postos em cima da mesa (sempre com a possibilidade de privatização à espreita), os planos de Poiares Maduro (concorde-se ou não com eles) são bastante diferentes do que se poderia esperar do anterior ministro Miguel Relvas. O Governo recuou – e bem – em muitos aspetos, e a ideia de encerramento ou concessão a privados da RTP1 parece estar posta de lado.

Quanto ao 2º canal, foram avançadas pela imprensa duas versões contraditórias – a de que a RTP2 se tornaria num canal exclusivamente cultural (ao género do canal franco-alemão Arte); e a de que continuaria a apostar no público infanto-juvenil no daytime, e que o horário nobre seria renovado. Garantido está o regresso do histórico Jornal 2 às 22h, rompendo assim com a experiência iniciada em janeiro de um simultcast com a RTP Informação às 24h. Quanto ao formato do canal, espero que a RTP2 não se demita daquela que tem sido a sua função há muitos anos e que lhe tem garantido alguns bons resultados: uma programação infantil de qualidade e com uma oferta diária única em sinal aberto.

Outra das novidades é a vontade não só da RTP como também do Governo em incluir a RTP Informação (ou um 3º canal da RTP, noutros moldes) na TDT. Chegou-se a falar também, em várias ocasiões, na inclusão da RTP Memória, mas esta parece não estar nos planos imediatos. Esta notícia é claramente positiva, e representa uma oportunidade para melhorar a pobre oferta de canais gratuitos. SIC e TVI (que entretanto já pediram licença para terem os seus canais HD na TDT) parecem não gostar  dos planos da estação pública. Não é de admirar: um canal informativo da RTP em sinal aberto significaria uma grande ameaça às audiências da SIC Notícias e da TVI 24. Também não parecem (infelizmente) muito dispostas em disponibilizar os seus canais de notícias na TDT. Só espero que o interesse público (não no sentido do operador público, mas sim dos espectadores) prevaleça sobre os interesses privados. Mas neste indecente processo da TDT isso raramente tem acontecido.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close