Falar Televisão

Golpe de sorte

 “Os comentários online são como as paredes da casa de banho”. A frase não é minha, apesar de a subscrever por completo. No entanto, é a partir de um comentário que li algures na edição online do Diário de Notícias que escrevo a crónica desta noite. Perguntava-se o leitor, face à vitória avassaladora da SIC com a transmissão do jogo de Portugal, que importância tem afinal ter sido a SIC a transmitir o jogo? Respondendo logo em seguida que “nem que fosse o canal ali do Bairro da Belavista” o resultado teria sido exatamente o mesmo. Concordo em absoluto.

Na linha da promoção exaustiva que os operadores nacionais tão bem nos habituaram, a SIC não perdeu tempo e no dia seguinte à transmissão do Portugal x Espanha apressou-se em anunciar que este tinha sido o programa mais visto da televisão portuguesa nos últimos oito anos. Tudo isto, carregado com um enorme simbolismo do próprio canal e fechando com a “cereja no topo do bolo”, o logótipo comemorativo do 20º aniversário do canal, que se festeja este ano.

Para quê? Se há produto onde a SIC se deve vangloriar dos resultados, a transmissão de jogos, ainda para mais de jogos da seleção, não são, de todo, o melhor exemplo. Era óbvio que o resultado seria avassalador, quer o jogo tivesse passado na SIC, que tivesse passado na RTP2. A promover, o golpe de sorte e o trabalho conseguido na negociação dos jogos, que permitiram à estação de Carnaxide a transmissão do último jogo com as cores nacionais por terras da Ucrânia…

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close