Falar Televisão

(En)Cantar

O formato não é novo. Anda pelas televisões desde que nos lembramos. Em Portugal, especificamente, temos exemplos como Ídolos, Família Superstar, Operação Triunfo, entre outros.

Contudo, os talent-shows carecem de inovação, a meu ver. Tanto ao nível estético, como ao nível do estilo de competição, formas de abordagem aos concorrentes… mas já foram dados alguns passos interessantes no sentido de prender o espetador.

Dois exemplos bem-sucedidos, na minha opinião, desta tentativa de reformular este tipo de programas são The X Factor e The Voice.

The X Factor, um concurso de temática musical, foi criado pelo carismático Simon Cowell no Reino Unido, em 2004. Afirmou-se como uma alternativa ao Pop Idol, onde Simon era jurado. O desejo de elevar a competição a outro nível e de inovar foi dos principais motivos que o levou a correr o risco de criar uma competição de raiz, com regras diferentes: os concorrentes podiam concorrer desde os 14 anos e até idade indefinida; podiam concorrer individualmente, ou em grupo; os jurados assumiriam, mais à frente na competição, o papel de mentores dos concorrentes, que seriam divididos em grupos ( 1 grupo para cada júri).

Promo do The X Factor UK (2011)

Passados 7 anos, pode-se dizer que o formato foi um sucesso, tendo chegado este ano aos Estados Unidos. A emoção de ver o júri envolvido no processo, de quererem ganhar tanto como os concorrentes é empolgante e dá um outro dinamismo ao processo de selecção do vencedor.

Outro exemplo, tendo estreado este ano também nos Estados Unidos, mas de origem europeia, foi The Voice. Este formato é semelhante ao The X Factor, na medida em que o júri compete entre si. A novidade prende-se com o processo de audições, em que o júri se encontra de costas para a audição prestada pelos concorrentes e avalia apenas a performance vocal. Se gosta, pressiona um botão que gira a cadeira, manifestando a sua vontade de ouvir mais, e de tornar-se mentor do concorrente.

Promo do The Voice US (2011)

Acho fantástico existirem opções para além do já ultrapassado American Idol. Cada vez mais queremos novidade, produção, ver e ouvir, ser júris em casa. Com programas assim, podemos fazê-lo.

 

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close