Falar Televisão

Dramática «silly season»

Falar Televisão

Falar Televisão

É por esta altura comum haver espaços informativos repletos de faits divers e notícias banais. É normal considerando o período em que nos encontramos, mas será que valerá mesmo a pena tanto? É certo que por esta altura pouco acontece num país que «fecha para férias em agosto», mas talvez fosse melhor reduzir os espaços informativos e apostar em outros formatos para preencher esse tempo – séries, talk shows, ou outros.

Há dias estava a acompanhar o Jornal da Uma e um jornalista foi entrevistar aleatoriamente turistas que visitavam a cidade do Porto. Ora, tudo muito bem, se as perguntas não fossem tão previsíveis, sem interesse e até repetitivas. Claramente também não tinha o dom das línguas (inglesa e espanhola/portunhol), mas ali se perderam uns bons cinco minutos do espaço de informação da TVI. E este é apenas um exemplo, pois esta é uma situação que se repete nas generalistas. E os diretos para as praias? E os diretos para esplanadas, restaurantes… só porque sim? Dispenso.

Já não falo da competição que existe, ano após ano, para ver qual é a estação que consegue estar mais próxima dos incêndios, consegue mostrar mais pessoas desesperadas. Se é inegável o drama que os fogos florestais são, bem como a importância e coragem dos bombeiros, talvez fosse desnecessária a forma como esta é aproveitada de forma tão despreocupada para fazer audiências. A realidade é que as entrevistas, por esta altura, mais do que em qualquer outro período do ano, são conduzidas com um intuito: dramatizar.

Em suma, eu viveria bem sem estes dois atributos da silly season

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close