Falar Televisão

“Dizem Elas e Ele”… E nós, o que dizemos?

Há muito que a rubrica de análise do “mundo dos famosos” faz parte do leque de programação de Você na TV!, da TVI. Atualmente, todas as terças-feiras (salvo algumas exceções), Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha recebem em estúdio três nomes reconhecidos do público em geral, dos ditos “socialites”. Lili Caneças, Cinha Jardim e mais recentemente Flávio Furtado.

Este tipo de rubricas torna-se quase essencial neste género de programas, uma vez que o ambiente é descontraído e o público para quem se dirige é o mesmo público consumidor de imprensa dita cor de rosa. Atores, apresentadores, jogadores de futebol, artistas ou simplesmente “gentes de festa”, são semanalmente apontados para a discussão no programa das manhãs da TVI. Os três comentadores são, por inúmeras vezes, apontados como fúteis, injustos e cruéis, sendo que são igualmente alvo de duras críticas. Este espaço torna-se quase que uma “atração barata” para a futilidade que é este mundo à parte.

Que me perdoem e compreendam os apreciadores de tais rubricas, mas a verdade é que este tipo de “espetáculo televisivo” não tem qualquer interesse social ou credibilidade. Ainda assim entendo, na totalidade do possível, a sua existência. É quase como falarmos de um reality-show. As pessoas gostam porque as distrai, porque as transporta para uma visão “ridícula” das suas vidas, isto é, as pessoas conhecem novas realidades subjacentes à sua própria existência que despoleta o seu sentido crítico e julgamento pessoal para com a diferença e baixos valores civis.

Numa altura da nossa vivência, em que nos é pedido sempre mais e melhor do nosso trabalho, este tipo de programas (no caso dos reality-shows) ou rubricas, faz-nos aperceber de que a nossa existência não é assim tão parola quanto a julgamos, ou seja, o nosso quotidiano, apesar de monótono e quiçá aborrecido, torna-se superior e concebível face a esta outra realidade paranormal, mesquinha e ociosa.

Mas este é apenas um ponto de vista, muitos outros são possíveis e necessários para a compreensão global da situação descrita. A título de exemplo, há quem afirme que a importância destes géneros é tão ou mais importante quanto uma discussão crítica e sustentada sobre a pobreza mundial. Porquê? Em primeiro lugar, há que reconhecer a ambivalência do mundo que nos cerca e posterior a isso, há que “beber” um pouco de toda essa diversidade para que a nossa identidade e a sua compreensão pessoal sejam asseguradas.

Muito poderia falar-vos aqui sobre causas, efeitos, consequências, importância e afins deste tipo de programação, mas prefiro que sejam vocês, fiéis leitores, que me dêem a vossa opinião. O que acham, a título de exemplo, da rubrica “Dizem Elas e Ele” do programa da TVI?

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close