Falar Televisão

Cartão Vermelho de São José Correia

São José Correia em entrevista ao Correio da Manhã traçou um cenário negro da falta de qualidade e originalidade de que padece a ficção nacional. Nas novelas como no futebol não há lugares cativos ou titulares indiscutíveis.

A melhor defesa é o ataque e quando apanhada na zona mista a avançada com sede de vitória afiou bem à ponta da lança e atirou-se aos guionistas, aos colegas atores, aos lóbis da indústria que descreve como pequena e de limitada criatividade onde a beleza dos protagonistas se impõe ao talento.

Que a ficção nacional em especial a do clube de Queluz estava obsoleta, onde a falta de concorrência provocou um conforto instalado na cultura guionista, parece inquestionável. Mas a concorrência que parecia adormecida foi ao mercado, renovou o plantel e já morde os calcanhares dos rivais na classificação.

Das duas uma, ou estes ecos expõem o que ninguém quer ver – histórias repetidas, personagens lineares –  e provocam a chicotada psicológica que o povo precisa mas não sabe pedir ou cerram-se fileiras e a estação impõe o blackout  por parte dos atores que tanto se preocupou em fazer assinar contratos de exclusividade.

Face à falta de estímulos de que se queixa, espero que a São José corajosa e frontal não seja a maçã podre que contamina o balneário. Entre os conservadores haverá quem pense, que quem não está bem muda-se.

Em televisão, como na vida não há tempo para adormecer à sombra da bananeira e oxalá o “grito do ipiranga” de São José incite a mudanças no universo televisivo onde a competição e a qualidade é doce e nunca amargou.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close