Falar Televisão

Acabou a «maluqueira»

Falar Televisão

Falar Televisão

Terminou ontem Big Brother VIP, um reality show que se revelou uma «grande maluqueira» (palavras da própria Teresa Guilherme numa recente entrevista). Mal o programa estreou, a produção percebeu logo que a aventura não ia ser nada (nadinha) fácil. Os VIP’s não davam «canal» e, então, deu-se início a uma barafunda sem fim: atores e apresentadores jogaram ao «Ignorar o Óbvio», a Venda do Pinheiro recebeu pela primeira vez atuações musicais, chamaram a Cátia e a Fanny, convocaram o casal Kapinha e Mafalda, foram a Rans buscar o Tino, a anfitriã baralhou incansavelmente os concorrentes, e por aí adiante. Meus amigos, é isto que acontece quando o elenco é fraco. E se não fosse Zezé Camarinha a criar espetáculo nas primeiras semanas, o cenário poderia ter sido bem negro para a TVI.

Pois bem, Pedro Guedes ganha esta edição. Sem surpresa, sem espanto, sem admiração. Ainda que tenha mantido uma postura serena ao longo do programa, demonstrou algumas atitudes menos corretas (por inúmeras vezes desrespeitou as regras, entre outras situações). Mas pronto, o povo é soberano e a decisão está tomada. Por seu lado, Flávio Furtado, que foi completamente «esmiuçado» pela imprensa nacional, conseguiu alcançar o segundo lugar. Não sei se merecia a vitória, mas que teve uma prestação positiva… lá isso teve. Apesar de se envolver em constantes «zumzuns» com os colegas, o cronista social foi um elemento importante neste jogo.

E a surpresa da noite foi mesmo Mafalda Teixeira que, por entrar a meio da competição, todos pensavam que não ia além da quinta posição. Mas enganaram-se. A atriz ficou em terceiro e, embora não tenha sido uma figura de grande destaque na casa, soube jogar e não facilitou o desenvolvimento de atritos «gratuitos». Já Kelly Baron, uma das preferidas ao prémio final, conquistou o quarto lugar. Talvez os portugueses tenham pensado: «Ah! Espera lá, estamos em Portugal… Não pode ganhar uma brasileira!». Mas a Kelly também teve uma boa participação e, acima de tudo, conseguiu escapar ilesa às más línguas, que se manifestaram no início do programa. Isso sim foi a sua maior vitória. Por fim, o último lugar pertenceu a Sara Santos. Aqui discordo totalmente, porque a Sara foi a única que nunca (zero mesmo) aderiu a discussões e, quando colocada à prova, provou (e bem) a sua humildade.

E é com estes «olhos» que vejo o final da saga Big Brother VIP. Foi uma «maluqueira» tal que nem a apresentadora chorou com o vídeo dos seus melhores momentos. Saudades? I don’t think so. Agora, com a nova temporada de Casa dos Segredos, só espero que não sejam cometidos erros do passado. Que a Endemol aposte num bom casting de anónimos e que acabem as trocas e baldrocas, os entra e sai, as imunidades sem nexo, as pequenas «mentirinhas» de Teresa Guilherme. Isso sim, era de valor.

Com 30%, Pedro Guedes venceu «Big Brother VIP»
Tags
  • lolipop

    Teresa Guilherme A DIVA <3

    • ass

      lolipop, a otaaria

  • Invited2

    Mas, n percebo então uma pessoa merece ganhar porque não criam atritos?? mas os atritos dão canal, a questão é essa, e o bb vip foi fraco porque nunca houveram grandes discussões nem grandes jogos como houve com a casa dos segredos 3, que isso sim era programa. porque os portugueses criticam muito, e fazem as pessoas escandalosas saírem e depois cansam-se dos programas porque são muito parados. Quem devia ter ganho era o flávio porque foi vitima de zumzuns e porque sempre disse tudo na cara

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close