Falar Televisão

A televisão por subscrição em Angola

Falar_Televisao 2012

Falar_Televisao 2012

O continente africano é, atualmente, um mundo de oportunidades. Enquanto que na Europa assistimos a uma recessão económica, em África temos assistido ao caminho inverso. Num mundo em que a Globalização tomou conta do nosso dia a dia, a televisão tem evoluído bastante naquele país. Tive a oportunidade, durante o presente ano, de experimentar dois operadores de televisão angolanos: ZAP e DStv Angola.

Comecemos por falar na ZAP, empresa esta detida pela ZON. Trata-se de uma operadora que tem bastantes parecenças com a sua congénere. Ainda não chegou lá a IRIS, mas atualmente, podemos ver alguns canais HD. Mas nem tudo são pontos positivos: peca por não ter um canal que transmita, em direto, o futebol espanhol e inglês. E não nos podemos esquecer que estamos a falar de um país em que há muitos jovens que jogam à bola na rua. De realçar que a Sport TV África está presente nesta operadora.

Já a DStv Angola é uma operadora com alguma margem de crescimento e que se tem revelado disposta a evoluir naquele país. Canais como TV Séries, Panda Biggs e TV Cine 4 foram algumas das apostas recentes da operadora, para se aproximar da oferta da concorrente. É de notar que nalguns pacotes desta operadora há canais que transmitem jogos do futebol espanhol e inglês, mas peca em termos de campeonato português. Isso deve-se ao facto de na DStv Angola apenas existir a SIC Internacional, sendo nesse canal emitido um jogo por jornada em canal aberto.

Será que não se poderia encontrar uma solução para que quem aprecie o desporto rei possa fazê-lo através de uma única operadora? Na visão do espectador penso que se deveria, mas temos assistido a mudança do paradigma das transmissões de futebol em Portugal, como tem-se visto com o caso dos jogos do Benfica em casa serem transmitidos no seu próprio canal a partir de 2013/2014.

Mas, de facto, algo que me surpreendeu foi a mecânica de pagamento, não só da televisão por subscrição, mas também noutros serviços: gás e telemóvel, por exemplo. No caso do pequeno ecrã, o cliente tem que efectuar um carregamento para poder ter acesso aos canais do pacote em questão. Não há contratos de fidelização, não há necessidade de pagar caso o cliente não esteja em casa.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close