Falar Televisão

A minha «Decisão» é não ver!

Chegou ontem à RTP1 – finalmente! – o novo programa de cultura geral da estação. «Decisão Final» veio então substituir o já cansativo «O Elo Mais Fraco» e o novo formato promete ficar no ar, pelo menos, até à próxima rentrée. E pelo que vi ontem, espero que fique por aí!

Dizem que José Carlos Malato está mais magro, mas para mim, ele continua a ser grande, continua a preencher todo o ecrã, continua a «assentar que nem uma luva» neste tipo de programa. Ele é, quanto a mim, a melhor opção para este tipo de formato. É mesmo melhor que, por exemplo, o Jorge Gabriel; o Malato tem o carisma de tornar o formato em algo menos sério e mais popular, com mais piada, mais apetecível de ver (se bem que, por vezes, corre o risco de cair em exageros). Aliás, ele é a mais-valia deste novo formato!

O formato, em si, é pobre. A ideia de os concorrentes, à medida que vão sendo eliminados, caírem num buraco, é engraçada… mas só isso chega? E o resto? Vamos por partes…

O grafismo é terrivelmente amador. Soa a programa dos anos 90! O logotipo é antiquado e não tem nenhum rasgo de criatividade, para além de ser demasiado básico. O grafismo – oráculos – de quando surgem as questões, é demasiado estático, sem qualquer ar moderno. Neste programa, tudo soa a velho, pobre e enfadonho!

O estúdio é escuro: não há cor, a luz parece insuficiente e há um sentimento de que o cenário não foi todo construído. Em suma, há uma clara falta de investimento! Houve só a preocupação de construir o chão onde os participantes caem no buraco, mais a entrada do apresentador e dos concorrentes. Até o público do programa está sentado numa estrutura forrada a preto, à frente de um fundo preto.

Para o tempo de duração do programa, o número de participantes parece-me insuficiente. Há demasiados «encher chouriços» durante a emissão, a começar pelo tempo excessivo na resposta a uma pergunta (quando, em 5 segundos, se percebeu a resposta de tão básica que é a questão). Depois, a própria edição do programa não está feita de modo a dar-lhe ritmo; nem se quer há uma música de fundo que crie ambiente, que dê tensão, que nos prenda ao que está a acontecer…

Se compararmos «Decisão Final» com a versão brasileira do formato (transmitida na TV Bandeirantes com o nome de «Quem Fica em Pé?»), sentimo-nos logo pequeninos! E isto é para não comparar com a versão original e ficar pela análise de uma outra adaptação… Em relação à produção do formato no outro lado do Atlântico, põe a nossa a um canto, pois é exatamente o oposto de tudo o que disse acerca de «Decisão Final». E é triste que, em vez de darmos um passo para a frente, demos dois para trás!

Sem dúvida alguma que foi uma mais-valia o surgimento deste formato. Pelo menos fez com que chegasse ao fim «O Elo Mais Fraco» que, quanto a mim, não foi um bom regresso (Onde estava a novidade? O que trouxe de novo, além do apresentador? Onde estava a diferença do formato de há uns anos atrás?). A estreia de «Decisão Final» até não foi má, mas a questão é se, pelo menos, manterá aquele valor, sendo que o ideal seria subir. O programa está mesmo no início e, sinceramente, para o bem do formato, espero que façam alterações consideráveis… vão bem a tempo, mas duvido que o façam!

  • disqus_hIKAPC43Mu

    Por mim voltavam era com a Herança, ou o Um Contra Todos, embora este último deva ser mais caro.

    • M Airam

      Este programa É UMA SECA!!! É o elo mais fraco dos quiz shows, logo, não tem pernas para andar e a concorrência até agradece. O Malato que me desculpe, mas nem sequer entendo como é que ele se presta a tal!…
      GRANGER, VOLTA DEPRESSA! “TÁS PERDOADO”!!!

  • Gostei do formato. O mesmo não posso dizer do cenário/luzes/acampamento do publico que foram antiquados e pouco usuais, aliás acho quem que embora o apresentador seja o ideal nao chega , o estudio está realmente “inacabado” logo a precisar de remodelação. Realmente a maior parte do tempo é mesmo para encher chouriços e a maior parte das perguntas é de facil resolução e nao apresenta nenhuma dificuldade para o tempo de resoluçao exagerado (30 s – 20 s – 15 s – 10 s,embora este ultimo ja seja aceitavel.)

  • Ricardo

    A RTP não tem um espírito vanguardista. É uma estação cada vez mais antiquada e estagnada. Vejamos o que fazem com a sua grelha de programação…ou mesmo pelo que (não) têm feito ao Festival da Canção…

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close