Falar Televisão

A inconstância da televisão

Registou-se no passado domingo um poderoso indicador a somar a muitos outros que mostram que em televisão não há estabilidade. 18,8% foi quota de mercado média da TVI, televisão líder de audiências e preferências dos portugueses nos últimos 60 meses, que é como quem diz, 5 anos. Se incluirmos o universo dos canais por cabo na competição direta, apenas podemos contabilizar 59 meses de liderança por parte da estação agora liderada por João Cotrim de Figueiredo, isto porque a televisão por cabo fez história e arrebatou o primeiro lugar no passado mês de julho.

Mas de números, valores e dados audiométricos já todos ouvimos falar e discutir, resta-nos fazer considerações acerca do que se passou e o que se passará daqui para a frente. O medíocre valor do passado domingo pode ser remitido para a concorrência e a sua oferta programática, ainda assim, prefiro enveredar pela horripilante e desastrosa prestação da televisão que se diz líder absoluta. Não houve um único horário em que a TVI se tenha posicionado no primeiro lugar entre as principais generalistas, sendo que, toda a grelha e programação idealizada foi um autêntico “flop”. A informação colocada em último lugar, com um desempenho assombroso de “Jornal da Uma” e um terceiro lugar de “Jornal das 8” (já nem Marcelo Rebelo de Sousa convida audiência), manhãs e tardes fracas e a o prime-time uma autêntica desilusão.

Mais uma vez relembro que não me esqueço da “saga do futebol”, ainda assim, a SIC conseguiu manter firmes as apostas da noite e a TVI, que estreava aquele que se dizia ser “o programa mais fresco do verão”, fez história, pondo a estreia de um talent-show abaixo dos cinco programas mais vistos do dia.

Toda esta crítica não é mais do que uma grande desilusão e um tentar disseminar a origem de tamanho fracasso. José Fragoso e Cotrim de Figueiredo são para mim os grandes responsáveis pela queda que se vai verificar naquela que foi em tempos, a melhor televisão de Portugal. Desde a saída de José Eduardo Moniz que a estação de Queluz de Baixo perdeu qualidade, criatividade, inovação e o mais importante, espírito de liderança. A ficção nacional perdeu os encantos, a informação, ainda que bem renovada, não é a escolha dos portugueses e as tardes, em vez de melhorarem, tendem a piorar a cada decisão de Fragoso.

É precoce todo este julgamento e muitos me dirão que tudo o que afirmo e julgo saber é errado e o futuro o provará. Não estou em desacordo, aliás o tempo me dará ou não razão, mas ou eu muito me engano ou a TVI vai descer, descer e descer. Talvez não tão rapidamente, pois em setembro chega, ao que tudo indica, a “senhora televisão” com mais uma edição da polémica Casa dos Segredos e quiçá renovadas tardes tragam à TVI a inovação e singularidade que não se vêem há muito. Ainda assim, não haja ambição, criatividade e o dito do espírito de liderança e é ver Queluz a ficar ainda mais para Baixo.

  • O José Fragoso vai ser o Penim da TVI… Ele não me cheira a liderança firme
    Também pudera, ter o mesmo director 10 anos consecutivos

  • Emanuel

    Os únicos programas que vejo na tvi são o Você na Tv, as novelas Remédio Santo e Sedução e a série Casos da Vida, mesmo repetida gosto de ver porque há alguns telefilmes que não vi.
    De resto não gosto de mais nada!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close