Cine-Opinião

The Artist

 

Esta semana regresso a este Cine com um dos filmes mais nomeados para os Óscares este ano, O Artista…

Título original: The Artist

De: Michel Hazanavicius

Com: Jean Dujardin, Bérénice Bejo, John Goodman

Género: Comédia Dramática

Classificação: M/12

Outros dados: FRA/BEL, 2011, Preto e Branco, 100 min.

Links: http://weinsteinco.com/sites/the-artist/

Trailer

 [youtube http://www.youtube.com/watch?v=OK7pfLlsUQM]

Sinopse

Hollywood, 1927. George Valentin (Jean Dujardin) é a grande estrela da noite de estreia de “A Russian Affair”, o seu mais recente filme. Nesse evento, conhece Peppy Miller (Bérénice Bejo), uma jovem bailarina e actriz em início de carreira. Com apoio de Valentin, que depressa se torna seu mentor e amigo, ela vai sendo acarinhada no meio, conquistando pouco a pouco mais protagonismo. Porém, dois anos depois, com o aparecimento do som na indústria cinematográfica, inicia-se o fim do cinema mudo e, por consequência, da carreira de Valentin. Absolutamente crente de que o som não será mais do que uma moda que em breve cairá em desuso, mas sem ninguém que produza um filme seu, o galã decide investir toda a sua fortuna na produção de uma nova película, cujo fracasso acaba por o levar à ruína. Até que, desesperado e quase a atentar contra a própria vida, reencontra Peppy Miller, hoje transformada em grande diva do ecrã, que tem ainda presente algo fundamental: a gratidão para com alguém que esteve ao seu lado quando o sucesso pouco mais era do que uma simples miragem. Escrito e realizado pelo francês Michel Hazanavicius, depois de estrear na última edição do Festival de Cannes, recebeu vários prémios por todo o mundo e está nomeado para dez Óscares, entre os quais melhores filme, realizador, actor, actriz secundária e argumento original.

 

 Crítica

A verdadeira importância de um filme como “O Artista” surge numa altura em que todos sabemos que existem os filmes 3D, efeitos especiais e toda uma parafernália de tecnologia altamente sofisticada mas que no fundo um filme pode ser bem sucedido sem nada disso mas simplesmente com atores a cumprirem o seu papel em frente a uma câmara.

Começa logo pelo facto de ser um filme mudo, a preto e branco e produzido por franceses que nos fala sobre a transição do cinema mudo para o sonoro mas que o faz de uma forma soberba através do realizador Hazanavicius, que nos conta a história do típico galã do cinema mudo que vê a sua carreira ir por água abaixo com o surgimento do cinema sonoro mas que é ajudado por uma jovem atriz.

A retirar deste filme, a transição do cinema nostálgico do passado para outros domínios que nos trazem até ao cinema atual e a emoção do cinema mudo e o envolvimento dos atores com o espetador sentado deste lado. Isso mudou, mas a magia do cinema tem de ser a mesma e a emoção que um filme como “O Artista” nos provoca tem de estar sempre presente porque como diz Jorge Mourinha por trás deste filme esconde-se uma carta de amor ao cinema.

Tags
  • Ricardo

    Um filme grandiosos como o The Artist merecia uma crítica melhorzita… Aliás nem se pode chamar a isto de crítica mas de um comentário muito geral e isso toda a gente o consegue fazer.
    Apenas estou a comentar isto porque um site como este merecia uma verdadeira crítica e não um curto comentário com palavras caras que acabam por não acrescentar nada à sinopse (que até é maior que a “crítica”).

  • Silvia

    Suberbo!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close