Cine-Opinião

«Amour»

cine opiniao 2012

cine opiniao 2012

O mais recente filme do realizador Michael Haneke, tão aclamado pela critica é hoje o alvo do Cine-Opinião desta semana, o primeiro de 2013. E como é sempre bom começar em grande, «Amour» é um verdadeiro hino à sétima arte e ao que o cinema se propôs com a sua invenção, o puro entretenimento ao serviço de um ou mais causas.

Quem conhece o trabalho de Haneke deve preparar-se como se de uma tragédia se tratasse. é que afinal de contas «Amour» promete misturar dois dos temas muito sensíveis como o amor e a morte. A trama traz-nos a história de dois idosos octogenários a gozar a sua velhice.  E é após um acontecimento inusitado que ‘Anne’, sofre um derrame ou acidente vascular que a deixa  por algum tempo paralisada e sem noção da realidade. ‘George’, o marido dedicado,  procura manter e calma e sem ter tempo de perceber o sucedido vê-se obrigado a levar a esposa ao médico. «Amour» traz ainda a este casal uma filha distante que procura à sua maneira ajudar os pais de quem sempre viveu afastada. As cenas todas bem encadeadas mas com algum tempo de duração algo exacerbado, trazem a notícia  de que o estado de ‘Anne’  é grave e a doença degenerativa a conduzirá lentamente à  morte.  E é assim que , o amor é posto a prova.

O seu poder da história é cativante e nas representações de dos veteranos Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva que todo o portento do filme se encontra. «Amour» não atingiria metade do seu sucesso sem a dupla e é mesmo ao desempenho de Emmanuelle Riva que merece tantos elogios quanto o trabalho de Haneke.

Realista mas frio e analítico, o toque de midas de Haneke que nos traz uma trama perturbadora algo indigesta para os mais sensíveis  Mais do que uma história de amor, «Amour» é uma lição de vida e uma prova de que «Até que a morte nos separe»,não está ao alcance de todos nem da força de vontade.

Haneke desarma logo os telespetadores e mostra que os finais felizes são só para os filmes que não os dele. A primeira cena retira logo toda e qualquer esperança de esta história poderia acabar bem e que não veio de falinhas mansas.

É difícil de «Amour» sem percorrer alguns dos caminhos pelos quais o filme nos leva as sensações que no conduz, mas deixo toda e qualquer sensação para os que ainda não viram, esta forte produção, este turbilhão de sentimentos que «Amour» do alto do seu circuito alternativo de cinema poderá proporcionar ao que a estas lides estão mais distraídos.

  • joaom94

    um filme profundo, é assim que o descrevo.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close