Ainda Sou do Tempo Rubricas

“Ainda sou do Tempo…” do “Sassaricando”

Ainda sou do Tempo

 

Esta semana regresso novamente aos anos 80 desta vez com a novela Sassaricando que marcou toda uma década, quem não se lembra de Tancinha, Fefê ou mesmo de Guel ou Beto? Produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 19 horas, tinha como tema central a participação das mulheres no mercado de trabalho e foi escrita pelo génio Sílvio de Abreu e dirigida por Cecil Thiré e Miguel Falabella.

A novela conta, com intenso humor, as aventuras e desventuras de um homem de 60 anos que, ao ficar viúvo, passa a levar uma vida cheia de “sassaricos”. Aparício Varela (Paulo Autran) era casado com a poderosa e prepotente Teodora Abdala (Jandira Martini), herdeira da Tecelagem Abdala. Quando Teodora morre, Aparício transforma-se num novo homem, mais solto, e deixa de ser subjugado pela filha mimada, Fedora (Cristina Pereira), começa a namorar três amigas ao mesmo tempo: a estilista Rebeca (Tônia Carrero), a atriz fracassada Leonora (Irene Ravache) e a dona de casa Penélope (Eva Wilma). A vida das três entrelaça-se depois de se conhecerem num spa.

Ficou famosa a família da espanhola Aldonza (Lolita Rodrigues) que é abandonada pelo marido Ricardo (Carlos Zara) e luta sozinha para criar os quatro filhos: Jorge Miguel (Edson Celulari), Tancinha (Claudia Raia), Isabel (Angelina Muniz) e Juana (Denise Milfont). Com a ajuda das filhas, Aldonza vende frutas na feira, e a barraca faz sucesso, especialmente quando Tancinha anuncia melões, balançando-os junto aos seios.

Um núcleo importante de Sassaricando é a louca família de Aparício (Paulo Autran), que persegue e inferniza a vida do pobre homem. Fedora (Cristina Pereira), a Fefê, filha do viúvo, vive entre estalos e beijos com seu marido Leonardo Raposo (Diogo Vilela), o Leozinho, um assassino profissional que só mata as pessoas erradas. Lucrécia (Maria Alice Vergueiro) e Fabíola (Ileana Kwasinski), que são cunhadas de Aparício, querem desesperadamente a fortuna deixada pela falecida irmã Teodora (Jandira Martini) e atormentam a vida de Aparício. E quando a própria Teodora Abdala baixa do além para atazanar o viúvo é a comédia! A personagem Camila (Maitê Proença) também merece algum destaque, sobrinha de Aparício, ela é uma bem-sucedida fotógrafa que se envolve com Jorge Miguel, filho de Aldonza.

 

Curiosidades

• Segundo Sílvio de Abreu, o nome da novela, Sassaricando, surgiu antes da sinopse numa conversa informal com Daniel Filho, que considerava o título excelente para uma novela

• Sílvio de Abreu inspirou-se no drama de uma amiga para escrever a história: era uma mulher de meia-idade, recém-divorciada e que não sabia como continuar com a vida na pós-separação

• Paulo Autran e Tônia Carreiro foram escolhidos para o elenco devido à afinidade que tinham quando contracenavam juntos

• Quando estava numa situação complicada, Aparício Varela (Paulo Autran) chamava sempre o santo de devoção, São Sinfrônio. No último capítulo, o santo apareceu, interpretado pelo diretor da novela, Cécil Thiré

• Interpretada por Cláudia Raia, Tancinha foi um dos destaques da novela e até hoje um dos papéis mais marcantes da atriz. Com sotaque paulistano exagerado, o bordão “me tô divididinha”, usado pela personagem quando ela expressava a dificuldade de escolher entre o publicitário Beto (Marcos Frota) e o musculoso Apolo (Alexandre Frota), fez grande sucesso entre o público. Tancinha foi inspirada numa vizinha do autor, moradora da Vila Monumento, um bairro de São Paulo

• Para interpretar Tancinha e adotar um sotaque meio italiano, Cláudia Raia fez aula de prosódia. A própria atriz inventava palavras para a personagem, que falava sempre tudo errado. E uma vez pronunciada a palavra, como “parteleira” em vez de prateleira, ela precisava mantê-la. Não podia mais falar do jeito certo

• O trio amoroso formado por Tancinha, Beto (Marcos Frota) e Apolo (Alexandre Frota) tinha na estética dos personagens um forte tom cómico. Tancinha era um “mulherão”, e era disputada pelo baixinho Beto e o forte Apolo, dois homens completamente diferentes

• Para criar a trama de Aparício com Rebeca (Tônia Carrero), Leonora (Irene Ravache) e Penélope (Eva Wilma), o autor Sílvio de Abreu inspirou-se no filme “How to Marry a Millionaire” de 1953, com Lauren Bacall, Marylin Monroe e Betty Grable, dirigido por Jean Negulesco

• Penélope, papel de Eva Wilma na novela, foi uma homenagem do autor Sílvio de Abreu à atriz, que interpretou uma personagem com o mesmo nome em “As Confissões de Penélope” exibido em 1969, pela TV Tupi

• Sílvia Pfeifer que na época ainda era modelo, fez uma participação em Sassaricando, num desfile para a tecelagem Abdala

• Foi a primeira experiência de Miguel Falabella como diretor de novela

• A novela foi exibida em Portugal em 1989

Genérico

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=ikLzUocSErI]

Melhores Momentos

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=GqobJ4x6YBo]

http://www.dailymotion.com/video/xenpzw_sassaricando-1987-apolo-encontra-ta_shortfilms#.UMvDc-Syd8E

  • anonimo

    lembro-me da novela perfeitamente..
    era uma boa bosta!

  • Alberta Marques Fernandes

    Does Your Mother Know

    Ver tradução

    Sua mãe sabe

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close