A Reportagem Rubricas

A Reportagem – «Top Chef»

«Top Chef» é o novo talent-show do primeiro canal, e apesar de ter diferenças no formato, este acaba por dar seguimento ao ciclo de formatos culinários na RTP1, iniciado por «Masterchef», programa que teve sucesso no canal em 2011.

E o programa de 2011 não volta devido a diferendos entre a RTP e a Shine –  produtora detentora dos direitos para Portugal e Espanha -, que na altura da primeira temporada do formato não operava em Portugal, mas onde se instalou a tempo de uma hipotética segunda temporada do talentshow, que foi assim posta de parte devido à falta de liberdade da RTP na escolha da empresa responsável pela produção do programa, que na primeira temporada havia ficado a cargo da Endemol.

Com a recusa da RTP em abdicar dos serviços da produtora holandesa na produção do programa, foi Sílvia Alberto, apresentadora de «Masterchef» a garantir a continuidade dos formatos de cozinha na grelha da RTP1, “Ainda não podemos falar”, acrescentando, “Só posso dizer-vos que, por questões contratuais ainda não estou autorizada a falar sobre o assunto, mas brevemente daremos notícias”, disse a apresentadora, em fevereiro, ao A Televisão, aquando da apresentação à imprensa do «Festival da Canção 2012».

A escolha acabou por recair no «Top Chef» americano. Na mecânica do jogo, há diferenças, logo a começar nos concorrentes, se em «Masterchef» eram anónimos que procuravam sucesso no mundo da culinária, no original americano são os profissionais da cozinha a competir pelo título de vencedor.

16 é o número de concorrentes do programa, 18-48 a variação de idades dos candidatos ao título de Top chef e 13, as semanas que dura o formato. Em cada uma delas, os concorrentes terão de mostrar os seus dotes culinários em 3 provas, a «Prova de Fogo» – os concorrentes lutam pela imunidade -, a «Prova de Chefs», em que podem lutar individualmente ou em equipas para salvaguardar o seu lugar no programa, e assim evitar a última e mais temida prova de cada emissão, a «Prova da Eliminação», onde os jurados decidem qual será o concorrente a abandonar a competição.

Em todas as provas os concorrentes vão lutar contra o tempo, usando a sua criatividade e perícia submetendo-se à avaliação de três jurados de mérito reconhecido.

Os concorrentes terão o apoio de Nuno Diniz, o chefe executivo do hotel York House, e cronista frequente em algumas publicações da imprensa portuguesa terá como função desafiar os concorrentes e pôr à prova as suas ideias e objetivos. A sua participação «Top Chef» é encarada pelo próprio como uma forma de “continuar o objetivo de auxiliar os outros, e de contribuir para a compreensão mais generalizada do valor da cozinha como ato profundamente cultural”. Denomina o seu estilo culinário como “Tradição tolerante” e para lá da cozinha, tem-se dedicado à música, literatura, rádio e rugby.

 

Sílvia Alberto é a escolha natural para este formato ou não tivesse também conduzido «Masterchef» no ano passado. Assume-se como “defensora de programas de gastronomia e culinária portuguesa”, e para além de introduzir as provas, a apresentadora irá ainda motivar e apoiar os concorrentes.

O temível júri, responsável por avaliar os dotes culinários dos 16 concorrentes  e ditar a expulsão do mais fraco da semana, é composto por 3 notáveis figuras das cozinhas portuguesas. comparando com «Masterchef», o chef José Cordeiro é o único que se mantém, os chefs Susana Felicidade e Ricardo Costa substituem Justa Nobre e Ljubomir Stanisic.

Nascido em Angola e filho de transmontanos, o chef Cordeiro é atualmente diretor de restauração e chefe executivo do Altis Belém Hotel & Spa, em Lisboa e coordenador técnico de cozinha para a revista ‘Comer’. Em 2004, foi galardoado com o prémio  de Melhor Chefe de Cozinha, atribuído pela Academia Portuguesa de Gastronomia. Além da participação no programa da RTP, em 2011 lançou o seu primeiro livro de culinária, intitulado “As Minhas Receitas para Cozinheiros Amadores”.

Susana Felicidade é atualmente co-proprietária de três restaurantes em Lisboa, Taberna Ideal, aberto em 2008, e também da Petiscaria Ideal e a Pharmácia. Começou a cozinhar com a sua avó Josélia, e mais tarde com a mãe no seu restaurante na praia da Arrifana, Costa Vicentina. É licenciada em direito, exerceu, mas sem gosto. É profissional da cozinha há 8 anos, e começou precisamente pelo mesmo restaurante onde havia aprendido com avó e mãe durante 4 anos, e que havia fechado, no Algarve.

Formado pela Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, Ricardo Costa nasceu em 1979, e já passou por vários hotéis e restaurantes em Portugal Continental, Madeira, Inglaterra e Espanha. Exerceu a função de Chefe de Partida no Restaurante ‘El Girasol’, foi Subchefe no Sheraton Porto Hotel & Spa e ainda Chefe de Cozinha no restaurante ‘The Portal’ em Londres. Em 2009 e 2010 foi galardoado com uma estrela Michelin, quando desempenhava a função de Chefe Executivo no restaurante Largo do Paço, no hotel Casa da Calçada, em Amarante. Atualmente exerce o cargo de Chefe Executivo no The Yeatman, que recebeu  em Novembro de 2011, uma estrela Michelin.

Alexandre Silva, 31 anos, Lisboa – Prato assinatura: A cavala, a maçã e os pickles.

Carolina Columbano, 20 anos, Peso da Régua – Prato assinatura: Naquinho de vitela a baixa temperatura, com ervas aromáticas frescas, com vieira e molho de laranja e salada com frutos secos, acompanhado com creme de coentros.

 

Filipa Santos, 26 anos, Armação de Pêra – Prato Assinatura: Solomilho com pesto de frutos vermelhos, esmagado de batata doce e coentros e salteado de cogumelos shimeji e mini espargos.

Filipe Diniz, 21 anos, Barreiro – Prato assinatura: Gaspacho reinventado, maça verde, salicórnia e salmonete.

Frederico Guerreiro, 33 anos, Lisboa – Prato assinatura: Salmonete no seu habitat – Algas da costa portuguesa, esponja e espuma marinha.

Hélder Martins, Lisboa, 31 anos – Prato assinatura: Pregado do Mar recheado com açorda de algas e poejo, brunesa salteada de pêra rocha DOP e espargos verdes, crocante de queijo da Ilha S.Jorge e caldo de peixe com ervas aromáticas.

Hugo Teixeira, 26 anos, Braga – Prato assinatura: O Salmonete e a Horta.

Igor Martinho, 27 anos, Santarém – Prato assinatura: Bacalhau lascado com puré de grão e amêndoas torradas.

João Sá, 26 anos, Lisboa – Prato assinatura: Creme de ervilhas com vieira fumada, espuma de ostras e caviar trufado.

Luís Mourão, 48 anos, Barreiro – Prato assinatura: Robalo de linha sobre umas migas de poejos, vieiras, salicórnia em aromas de mar.

Patrícia Tomé, 26 anos, Oeiras – Prato assinatura: Filete de dourada com puré de aipo.

Rufino Santos, 30 anos, Torres Vedras – Prato assinatura: Borrego, Cerejas, legumes e Flores de Primavera.

Rui Martins, 34 anos, Vizela – Prato assinatura: Pescada com creme de batata e alho, e salteado de cogumelos.

Rui Rebelo, 33 anos, Lisboa – Prato assinatura: Foie, mel, figos e gelados.

Rui Sequeira, 20 anos, Faro – Prato assinatura: O Algarve Num Momento

Valentina Mendes, 18 anos, Guiné-Bissau – Prato assinatura: Estaladiço de Bacalhau à Brás sobre Espargos verdes

Sílvia Alberto recebe os concorrentes a quem anuncia o leque de temidos jurados: Chefe Cordeiro, Chefe Susana Felicidade e Chefe Ricardo Costa. Contudo, para guiar os concorrentes há também o conselheiro Nuno Diniz que tem como função desafiar os concorrentes e pôr à prova as suas ideias e objetivos.

Depois de reunida a equipa é tempo de passar à primeira prova do «Top Chef» – A Prova de Fogo. Os concorrentes são divididos em 3 grupos, cada um avaliado por um dos jurados.

Após a prova em que os concorrentes mostram a paixão, exigência e excelência que fazem deles profissionais de topo, é tempo de se submeterem ao olhar crítico dos jurados que irão diferir os mais sinceros elogios e as mais duras críticas. Depois da degustação cada jurado destacará no seu grupo o melhor e o pior prato. O melhor estará imune à eliminação no primeiro programa de «Top Chef».

«Top Chef» estreia já hoje, sábado, às 21h00, na RTP1.

  • André Sousa

    16:9? e HD? no site da RTP e no canal HD não consta isso…

    • goncalosilva

      Não sendo em direto, o mais provável é ser em 16:9 e HD

  • Baby

    O TOP Chef vai sim passar na RTP1 HD, logo vai estar em HD… o 16:9 é que já não é tão certo! Na RTP1 HD vai estar em 16:9, mas na RTP1 SD é provável que não…

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close