A Entrevista

A Entrevista – Pedro Granger

A entrevista Pedro Granger

A entrevista Pedro Granger

Popularizou-se na TVI, em telenovelas como Jardins Proibidos e Dei-te Quase Tudo, mas mais recentemente esteve a um passo de apresentar a versão portuguesa de um grande formato de entretenimento internacional, X Factor. A indecisão da SIC levou-o a aparecer no ecrã da RTP, em O Elo Mais Fraco e Festival da Canção. Está n’A Entrevista e chama-se Pedro Granger.

O PASSADO E O PRESENTE

A Televisão – Inicio esta conversa com uma pequena provocação… Sendo que o Pedro ficou conhecido por ser um apaixonado por relógios, costuma chegar atrasado aos seus compromissos [risos]?
Pedro Granger – Tenho o defeito (sim, porque hoje em dia parece que é defeito) de ser pontual. Procuro estar sempre quinze minutos antes da hora marcada. Odeio esperar, e fazer os outros esperar por mim é um conceito que não consta no meu dicionário.

aTV – Já passou pelos três principais canais portugueses. Sentiu sempre uma necessidade de mudança? O que o fez querer mudar de ares?
P.G. – Isto da vida de artista tem destas coisas. É importante não nos acomodarmos muito num sítio, não dormirmos à sombra da bananeira e procurar mudar, inovar, ir à procura de coisas novas, daí a necessidade de mudar de ares de vez em quando. Se estamos sempre no mesmo sítio às tantas não saímos da cepa torta. Já dizia o outro: “Parar é morrer”.

aTV – Como distingue cada um dos canais?
P.G. – Como distingo? [risos] Sei lá! Uma pessoa olha para a televisão hoje em dia e são os três tão parecidos. Mas continuo a achar que quem faz os canais são as pessoas, e aí sim há diferenças.

aTV – Por que razão não tem apostado na sua carreira de ator como há uns anos? Está a redirecionar a sua carreira para uma área que aprecia mais?
P.G. – Isso não é verdade. Não tem sido é na televisão. Tenho feito cinema. Ainda agora acabei uma curta-metragem, estou também a terminar um filme do Tino Navarro e já tenho mais um filme marcado para este ano.

aTV – Qual foi a série ou novela que mais o marcou fazer?
P.G. – Pois… Esta não é muito fácil de responder. A Lenda da Garça (agora em repetição na RTP Memória) foi a primeira e por isso importante, os Jardins Proibidos marcaram o arranque de uma nova TVI e também foi especial, em Sedução, do Rui Vilhena, tinha um papel bestial e em Dei-te Quase Tudo, que portagonizei com a Vera Kolodzig, continua a ser até hoje a mais vista de sempre, por isso não consigo escolher uma única série ou novela.

aTV – Ator ou apresentador, com qual delas se identifica mais?
P.G. – «Eu tenho dois amores, que em nada são iguais, mas não tenho a certeza, de qual eu gosto mais», já dizia o Marco Paulo.

aTV – Quais são as suas referências na ficção? E no entretenimento?
P.G. – Tantas! [Al] Pacino, [Robert] De Niro, Edward Norton… No entretenimento lembro-me que uma das principais razões que me fez querer fazer o Ídolos foi ter gostado da dupla inglesa de apresentadores, o Ant & Dec .

aTV – Qual foi o programa de entretenimento que mais gostou de integrar?
P.G. – O Rédea Solta [transmitido na TVI24 em 2009] foi muito especial porque era um programa apresentado, escrito e desenvolvido por mim, mas estaria a mentir se não dissesse que foi o Ídolos [da SIC]. Aquela primeira edição, então! Foi uma lufada de ar fresco na televisão na altura.

aTV – Como vê esta febre dos remakes televisivos, quer de produtos de ficção quer de repetição de formatos de entretenimento?
P.G. – Quando são bons vejo bem, quando são maus simplesmente não vejo. Mas, por exemplo, quando a SIC voltou com o Ídolos achei uma ótima ideia. Claro que fiquei com pena de não poder aceitar o convite para apresentar a nova edição porque estava na TVI, mas vistas bem as coisas, o programa foi muito bem feito pelo João [Manzarra] e pela Cláudia [Vieira], e acabou por ser importante nas vidas deles como as duas primeiras edições foram para mim e para a Silvia [Alberto].

aTV – Desde o ano passado que as audiências têm estado envoltas em polémica. Qual é a sua opinião sobre este novo sistema de medição de audiências no nosso país?
P.G. – Não vou comentar esse assunto, peço desculpa. Sou ator e apresentador, não sou programador nem diretor, cada macaco no seu galho, cada galinha na sua capoeira.

A RTP

aTV – Como avalia a sua prestação em O Elo Mais Fraco? Voltaria a aceitar o convite para apresentá-lo?
P.G. – Foi muito divertido. Foi-me pedido pelo Hugo Andrade (diretor de programas da RTP) e pelo Frederico Ferreira de Almeida (diretor da Fremantle) para apresentar o programa num registo mais divertido, mais gozão, diferente do feito até agora, e foi muito engraçado o processo de construção daquela “personagem” que apresentava o programa. Foi engraçado ver que as pessoas de início estranharam mas depois foram aderindo cada vez mais. Principalmente os mais novos. Fomos o primeiro quiz show deste género que conseguiu uma adesão enorme do público mais nov. Eram para ser 60 programas e acabámos por fazer quase 200. E claro que voltava a apresentá-lo.

aTV – Como qualifica a experiência de dar a cara pelo Festival da Canção? Tem pena que a RTP não aposte nele para este ano?
P.G. – Era uma coisa que queria fazer há muito tempo. Isso e apresentar os Jogos sem Fronteiras [risos]. Claro que tenho pena mas acredito que é só uma fase passageira e que daqui a um ou dois voltamos a fazer.

aTV – Qual é o seu ponto de vista no que concerne à privatização da RTP?
P.G. – Hum… Acho que é importante haver pelo menos um canal público, mas no estado em que as coisas estão, e mantendo pelo menos um canal público, um canal privado novo é mais que bem-vindo, é quase essencial para ver se isto tudo abana um bocado. O mercado está praticamente estagnado e mesmo com a queda de publicidade a que se tem assistido, era bom haver um novo “player” [jogador] para ver se isto anima.

A SIC

aTV – De que modo a SIC evoluiu no que diz respeito à ficção?
P.G. – Imenso. Só quem for completamente maluco da caixa dos pirolitos poderá dizer o contrário. Não nos podemos esquecer que há quase 15 anos a SIC teve o Médico de Família que marcou a ficção nacional no nosso país, mas desde a , e sem contar com os telefilmes, a SIC nunca conseguir furar com a sua ficção. Hoje em dia há uma aposta séria e de enorme qualidade, o que é bom para a estação, para o público e para todos os profissionais que trabalham nesta área.

aTV – Esteve há mais de um ano a um passo de estar na SIC a apresentar a versão portuguesa de X Factor. O que realmente aconteceu?
P.G. – Havia essa possibilidade, sim, mas como sabe o programa acabou por não ir para a frente.

aTV – Ainda pode vir a apresentar esta adaptação, por exemplo, em 2013?
P.G. – Nunca escondi que é o programa que mais quero apresentar, mas tendo em conta a conjetura atual do nosso país, acho pouco provável.

aTV – Como foi regressar à antena, embora que por poucas horas, no programa da SIC Vale Tudo? Significa este aparecimento que o Pedro possa vir a participar em futuros projetos nesta casa?
P.G. – Foi de chorar a rir (tirando uma ou outra nódoa negra com que acordei no dia a seguir). É um programa simples mas muito bom, eficaz e muito bem feito, que prova como se pode fazer boa televisão nos tempos que correm. Quanto ao voltar à SIC, sou um ator e apresentador que está no mercado, sem exclusividade com nenhum canal, podendo por isso trabalhar em todo o lado.

A TVI

aTV – O que o fez sair da TVI, em 2011?
P.G. – Em 2011 decidi não renovar o contrato de exclusividade que tinha com a TVI porque queria fazer outras coisas profissionalmente. Queria fazer cinema , apostar mais na apresentação e na TVI o que tinha para fazer era a segunda edição da Casa dos Segredos, coisa que não queria mesmo . Como disse no inicio desta entrevista às vezes é preciso mudar, sair do sítio de onde estamos, ir à procura de outros desafios.

aTV – Como classifica o estado atual de produção ficcional da TVI?
P.G. – Eu não sou crítico de televisão (o que quer que crítico de televisão seja ou queira dizer) mas penso que mesmo havendo menos dinheiro (e isso às vezes nota-se no resultado final) a TVI, e a Plural, mais concretamente, continua a ser uma grande produtora de ficção nacional.

aTV – Vê-se a regressar, num futuro próximo, à TVI? Já recebeu, desde a sua saída, algum convite?
P.G. – Já recebi mais do que um. Não pude aceitar porque estava a fazer outros trabalhos, e não vejo razão nenhuma pela qual, mais tarde ou mais cedo, não regresse à TVI, muito pelo contrário. Tal como já disse, isto de estar no mercado também tem algumas vantagens. Estar disponível para trabalhar em todos os canais é uma delas.

aTV – Teceu recentemente no seu Facebook elogios a Luís Cunha Velho. Acha que finalmente a TVI está em boas mãos?
P.G. – Claro que elogiei o Luís. Só o podia elogiar mesmo. Poucas pessoas conhecem e percebem tão bem a TVI como ele. O Luís é um grande profissional, uma grande pessoa. A TVI está em boas mãos.

aTV – A TVI estava a ser mal gerida pelos antigos diretores?
P.G. – Desde a saida do Zé Eduardo [Moniz] que a TVI já conheceu melhores e piores timoneiros. Acho que o barco tem agora um bom comandante. Bom não, muito bom.

aTV – É do conhecimento público a amizade que nutre pela Júlia Pinheiro. Como olhou para a guerra alimentada pela imprensa com a Teresa Guilherme? A Casa ficou a ganhar ou a perder com esta perda e consequente aquisição?
P.G. – Já trabalhei e gosto muito da Júlia mas também gosto da Teresa. Sobre essa “guerra” não tenho nada a dizer, e quanto ao programa não me parece que seja uma questão de ter ficado a ganhar ou perder mas sim do próprio conteúdo. A Júlia puxava mais pelo lado dos segredos, que eram a matriz do programa, e a Teresa vai mais pelo lado “Big Brotheriano” da coisa. São abordagens diferentes, há quem goste mais de uma e quem goste mais de outra.

aTV – Porque criticou a atual Casa dos Segredos na sua página de Facebook? O reality-show piorou desde a primeira edição, na qual participou como apresentador?
P.G. – Eu não critiquei o Secret Story , simplesmente pus um post a dizer que era domingo à noite e não havia nada para ver na televisão. Não se deve cuspir no prato onde já se comeu, mas também não devemos perder o espírito crítico sobre as coisas . Não é uma questão do Secret Story ter melhorado ou piorado. Está diferente, e isso é inegável. Hoje em dia é um reality show mais sensacionalista que aquele que a Júlia, a Leonor [Poeiras] e eu apresentámos. Há quem goste mais, há quem goste menos. Quanto a mim é simplesmente um formato do qual eu não sou o maior fã, daí nao ter querido fazer a segunda edição.

O FUTURO

aTV – A parceria com Sílvia Alberto fez sucesso na antena da SIC. Faria sentido recuperar essa ligação a longo prazo, ainda que noutro canal?
P.G. – Claro que sim. Aliás, não foi por acaso que o Hugo Andrade decidiu pôr-nos a apresentar o Festival da Canção juntos, coisa que segundo a reação do público correu muito bem. Gosto mesmo muito de trabalhar com a Silvinha. Aliás, penso que trabalhar em dupla com ela ou com a Leonor Poeiras faz e fará sempre sentido. Por alguma razão digo que a Nônô e a Sininho são as minhas meninas.

aTV – Já integrou os mais diversificados projetos em televisão. Que programas ainda lhe faltam fazer?
P.G. – Espero que muitos, caso contrário é mesmo “arrumar as botas e ir para casa”. Em televisão gostava de fazer mais comédia.

aTV – O que difere no Pedro do início da sua carreira com o de agora?
P.G. – Para alem das rugas, a alegria de muitos projetos que gostei muito de fazer, algumas desilusões e um muito maior espirito crítico e seletivo.

aTV – A que estação gostaria hoje de vir a participar num projeto?
P.G. – Isso depende do projeto, claro!

aTV – Vê-se a deixar o mundo da televisão?
P.G. – Sinceramente? Às vezes só apetece mesmo bater com a porta e ir pregar para outra freguesia, mas acho que acontece isso em todas as profissões. Mas depois, vistas bem as coisas, há projetos e pessoas que valeram e valem tanto a pena .

aTV – Divulgou-me recentemente, em declarações ao A Televisão. que o seu regresso à TV estava a ser negociado. Em que ponto se encontra?
P.G. – Como tenho estado a fazer cinema não pude aceitar alguns projetos, houve um outro que acabou por não ir para a frente, por isso estou agora na fase de conversações para este novo ano. Eu gosto de fazer televisão mas tenho andado por outras paragens. e vistas bem as coisas… nem só de televisão vive o homem. [risos]

  • Pedro Pacheco

    Grande entrevista …. Grande Pedro 😉

  • Maria

    Muito boa a entrevista!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close