RTP

Uma novela, duas gerações

Realizador de “Vila Faia” original é pai de um dos realizadores do “remake” da mesma trama


Pai e Filho. A mesma profissão. Até aqui nada de novo. A grande coincidência reside no facto de o pai ter assinado a realização da versão original de “Vila Faia” e, 25 anos volvidos, o filho estar à frente do seu “remake”.

Foi numa agradável tarde, em Alcochete, que o JN conversou com Nuno Teixeira e com o filho Duarte Teixeira. A tónica do discurso foi naturalmente colocada na ironia do destino que uniu os dois na feitura da história da primeira novela portuguesa. Fluída e descontraidamente, Nuno e Duarte partilharam a experiência separada por mais de duas décadas. Duarte fazia parte da equipa de “Morangos com açúcar” e “Doce Fugitiva”, juntamente com Patrícia Sequeira, quando aquela foi convidada pela SP Televisão para dirigir o projecto do “remake”, pelo que a acompanhou.

Interrogado se foi embarcar numa aventura realizar a versão original de “Vila Faia”, Nuno responde: “Foi mais um atrevimento, não deixando de estar implícita uma consciência profissional forte”. Afinal, a RTP ia concorrer com a Globo, cuja máquina à data contemplava uma parafernália de meios. “Nós comparávamos a nossa produção às oficinas de Alverca e a da Globo à Nasa”.

“Vila Faia” surgiu numa altura em que, segundo Nuno Teixeira, “havia o chavão de os actores serem teatrais”. Ainda a novela não fora para o ar e já havia profetas da desgraça a condená-la ao fracasso. Porém, “o público aderiu em força”, embora, na opinião do próprio, se tenha exagerado “na apreciação positiva que se fez”.

Nuno antecipou a pergunta inevitável: “Não é dos genes”, garante. Mas afinal como é que o filho seguiu as suas pisadas? “Acompanhava bastante os trabalhos dele, pois não tinha onde ficar nos tempos livres. Mas não foi aí que nasceu o bichinho “, realça Duarte Teixeira. Relações internacionais foi o curso pelo qual enveredou. Todavia, foi como que seduzido pelo trabalho em part-time e não mais parou de realizar.

A saber-se, quem dá conselhos nesta relação é o filho ao pai, no entanto, este não se demite de uma postura crítica: ” Faço comentários em relação ao trabalho dele mas não sou obcecado com essa situação”, releva Nuno, que ficou satisfeito com a ideia do ‘remake’. “Achei excelente”, exclama.

A antevisão dos imponderáveis consta da bagagem privilegiada, fruto da convivência com o pai. Por forma a contornar a pressão do quotidiano laboral há uma frase de Nuno que Duarte faz uso recorrente: “O máximo que pode acontecer é não se fazer a cena”.

Entretanto, Nuno está já reformado. Saudades? “Só do futuro”. Duarte encontra-se a realizar a série “Pai à força” para a RTP1.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close