RTP

Sindicato dos Jornalistas denuncia encerramento « ilegal» de delegações da RTP

RTP1

O Sindicato dos Jornalistas acusa o Conselho de Administração da RTP, está a contactar jornalistas delegados-correspondentes, especialmente da Rádio Pública, em capitais de distrito,no sentido de encerrar as delegações.

Em comunicado o SJ,aponta o dedo ao Conselho de Administração da RTP, liderado por Alberto da Ponte que  pretende, nalguns casos, extinguir os postos de trabalho, e noutros está prevista a  possibilidade de os jornalistas passarem a trabalhar em casa e/ou serem transferidos para Lisboa, Coimbra ou Porto mas sem qualquer compensação pela alteração das condições de trabalho.

Para o organismo que defende os direitos do jornalista a esta reestruturação está a ser feita à margem dos «termos legalmente exigíveis», e lanço o apela para a manutenção das delegações regionais da RTP, de forma a reforçar o «jornalismo de proximidade» e evitar a extinção de postos de trabalho.

No apelo lançado pelo SJ ao Governo,aos Grupos Parlamentares, à Presidência da República, às Autarquias locais e à Entidade Reguladora da Comunicação Social, no sentido de reunirem esforços afim de evitar a extinção de delegações, cenário que consideram  uma «inaceitável operação de desmantelamento dos Serviços Públicos de Rádio e de Televisão».

Conheça na íntegra o comunicado:

É o seguinte o texto, na íntegra, do Comunicado do SJ:

Administração da RTP desmantela rede de delegações distritais e ameaça extinguir postos de trabalho de delegados

1. A Direcção do Sindicato dos Jornalistas tomou conhecimento de que a Rádio e Televisão de Portugal (RTP) está a contactar apressadamente jornalistas delegados-correspondentes, especialmente da Rádio Pública, em capitais de distrito, visando o encerramento das delegações.

2. De acordo com as informações disponíveis, sobre a mesa está a extinção dos postos de trabalho, tendo sido dada, nalguns casos, a possibilidade de os jornalistas trabalharem em casa, mas sem compensações para os encargos com Internet, telefone e electricidade. A empresa admitiu ainda a possibilidade de transferência destes profissionais para Lisboa, Coimbra ou Porto, mas sem qualquer ressarcimento pelas deslocações impostas e pela drástica alteração e prejuízo nas suas vidas pessoais e familiares.

3. Encetada à margem de qualquer reestruturação nos termos legalmente exigíveis, designadamente com omissão da audição e participação prévias da Comissão de Trabalhadores e do SJ, esta operação constitui uma séria ofensa aos direitos e garantias e até à dignidade dos jornalistas envolvidos, que o SJ repudia veementemente e que vai denunciar à Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT).

4. O SJ alerta no entanto para o facto de, além das graves questões laborais que a iniciativa da Administração da RTP levanta, estar em causa uma inaceitável operação de desmantelamento dos Serviços Públicos de Rádio e de Televisão que assegura às populações a cobertura da sua realidade, dos seus problemas e anseios, bem como das suas iniciativas e realizações.

5. De facto, a presença no terreno especialmente de jornalistas profissionais da Rádio Pública (a mais completa), cobrindo sistematicamente o território, numa malha que se desenvolve a partir das capitais de distrito e deslocando-se aos municípios e freguesias, constitui um património único na paisagem radiofónica e representa uma garantia da presença das populações – do país real – na programação informativa.

6. Ao desencadear o desmantelamento dessa rede, a RTP manifesta a mais completa indiferença pelas populações fora dos grandes centros, assim como pelos municípios, freguesias e instituições, compromete irremediavelmente o desígnio do Serviço Público de Rádio como factor de coesão nacional e demonstra uma preocupante ignorância sobre a função e a importância desse serviço.

7. O Sindicato dos Jornalistas apela às autarquias locais, à Entidade Reguladora para a Comunicação Social, ao Governo, aos Grupos Parlamentares e ao Presidente da República, para que exerçam todas as suas competências e realizem todos os esforços para impedir a destruição dos Serviços Públicos de Rádio e de Televisão, e para que, pelo contrário, estes seja devidamente reforçado, especialmente na componente de jornalismo de proximidade.

Lisboa, 11 de Dezembro de 2012
A Direcção

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close