RTP

RTP2 aposta em documentários nacionais

A RTP2, irá apostar toda esta semana, na exibição de documentários portugueses na faixa das 23h30, de segunda a sexta-feira. Todos eles foram produzidos entre 2007 e 2012.

A começar a semana, o canal irá emitir o documentário de Rui Simões «As Ruas da Amargura», sobre os sem-abrigo em Lisboa, e que, como ponto de partida, tem um olhar equidistante entre o sem-abrigo e o voluntário que o tenta ajudar nesse lugar de passagem e permuta de desafeto que é a rua. Este filme documental teve apoio do ICAM e foi cofinanciado pela RTP e Fundação Calouste Gulbenkian.

Na terça-feira,  «A Cidade dos Mortos», no Cairo, é a maior necrópole do mundo. Um milhão de pessoas vivem dentro do cemitério – em casas tumulares ou nos edifícios que cresceram em redor. Dentro do cemitério há de tudo: padarias, cafés, escolas para as crianças, teatros de fantoches… A Cidade dos Mortos estende-se por mais de dez quilómetros ao longo de uma autoestrada, mas não deixa de ser uma aldeia, com mães à caça de um bom partido para as filhas, rapazes a correr atrás das raparigas, disputas entre vizinhos. O documentário foi realizado por Sérgio Tréfaut e produzido pela Faux e Atico Siete.

«Sombras», é o documentário que poderá ver na quarta-feira, a história de uma obsessão pessoal. Um homem silencioso, de instinto vulcânico e visionário, habita num velho casarão com a sua empregada e o seu motorista. Acordado de um longo sono sai de casa e percorre num automóvel estradas e caminhos. O espírito desse homem, acossado por vultos e fantasmas, vagueia sonâmbulo e disperso por entre a densa bruma de uma floresta. Projetada na paisagem magnética, a sua sombra vai imaginando personagens, espectros desgrenhados que passam fantasmagoricamente pelo mundo, e vivem, para sempre, nos seus atos e palavras.  Realizado e criado  por João Trabulo e produção da Periferia Filmes, o documentário é de 2007 e passa também às 23h30.

Quinta-feira, a obra realizada por Jorge Silva Melo e produzida pelos Artistas Unidos e Manuel João Águas, «Álvaro Lapa: a Literatura» leva-nos numa viagem entre Viseu e Lisboa, Jorge Silva Melo reconstitui para o ator Pedro Gil a sua relação com Álvaro Lapa, as entrevistas que realizou com o artista, os anos passados a ver crescer uma das obras mais singulares da arte portuguesa. E a questão: o que é a literatura? Uma demorada viagem iniciática em que se revê toda a obra pictórica e literária e que termina com a declaração de Álvaro Lapa: “Disponível, disponível é a juventude. Mesmo que seja incapaz, incompetente, estouvada, destrutiva. Mas é disponível”.

A terminar a semana, a RTP2 exibe «Cama de Gato», realizado por Filipa Reis e João Miller Guerra, com produção de Daniela Soares e autoria de Pedro Pinho. Este documentário foi galardoado com o Prémio Pixel Bunker para Melhor Curta Metragem Portuguesa. Na sinopse do documentário: “As coisas acontecem, sucedem e a gente aproveita ou não. Há um jogo de meninos que, em Portugal, se chama cama de gato: os meninos atam um cordel em círculo, depois fazem assim com a mão, vem outro e faz uma complicação qualquer, mete o dedo faz outra complicação, vem outro ainda e quanto aos dedos faz assim e tira, e forma outra figura. Este jogo chama-se cama de gato. Então, eu acho que na vida o que há, é um jogo perpétuo de crianças com a cama de gato, que a vida vem de vez em quando e apresenta-nos o problema, olhamos e vemos como é que havemos de tirar, depois metemos os dedos, fazemos assim e sai outra coisa. É que toda a nossa habilidade é tornar a ser crianças para ver como é que sai a cama de gato.”

Estes documentários terão exibição de segunda a sexta-feira, às 23h30, na RTP2.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close