RTP

Rita Marrafa de Carvalho: «A parte mais chata é ter de apresentar o programa»

rita marrafa

Começou em 1999 na RTP1, e desde aí nunca mais parou. A jornalista do primeiro canal tem dado cartas na informação, e nos últimos tempos tem-se dedicado a 30 Minutos. Depois de a ideia ter partido de Judite Sousa, o formato tem-se mantido na grelha desde a sua estreia, há quatro anos. «[…] foi uma ideia de Judite Sousa. Foi ela que concebeu o formato que se mantém até hoje. O objetivo é contar histórias de vida de pessoas conhecidas ou de perfeitos anónimos», adiantou Rita Marrafa de Carvalho à TV Mais desta quarta-feira.

A profissional da RTP explicou ainda que uma emissão não tem de ser composta apenas por uma história, pois tudo depende da riqueza da mesma. «Um programa pode viver apenas de uma história, mas também pode ter duas a três reportagens. No caso de Roberto Leal, por exemplo, foi um programa inteiro por ser riquíssimo em depoimentos e estivemos em Vale da Porca, onde ele nasceu».

Apesar de ser um trabalho que implica muito esforço e dedicação, a jornalista confessou que mesmo assim gosta daquilo que faz. «Fazemos trabalho de rua, os pivôs e a montagem do programa. Andamos sempre no fio da navalha». Adiantou por fim que, a parte que menos gosta do programa, é mesmo a apresentação: «A parte mais chata é ter de apresentar o programa. É o único dia em que tenho de andar de saltos altos».

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close