RTP

“O Tal Canal” vai regressar

O programa de humor, que foi um sucesso da televisão portuguesa nos anos 80, vai regressar agora em DVD. O formato viu alguns dos seus programas repetidos quando a RTP1 comemorou os seus 50 anos. Serviu para relembrar a sua existência e agora pode-se adquirir o programa. Expressões como “Não me chame ‘condensa’ que me põe tensa”, “Ai, querida, é tão terra a terra, tão heróis do mar…”, “imeeensa paprica”, “que pomada!” ou “olá juventude” fizeram parte do quotidiano dos portugueses.

O programa, que foi um dos sucessos do humorista Herman José, vai estar disponível nesta época natalícia, em DVD, pelo preço de 34,95€.

Foi em 1983 que surgiu “O Tal Canal”, o programa que parodiava a televisão portuguesa e a sociedade daquela época. “…o programa foi um êxito. O impacto foi de tal maneira grande que houve uma ruptura com o humor mais revisteiro que se fazia”, explicou Herman José ao jornal “Diário de Notícias”. “A ideia de um programa na televisão surgiu em 1979 de um minigrupo. Até pensámos que o nome seria Hermanias, mas o programa foi recusado. Depois houve a oportunidade de o fazer mais tarde, com o nome O Tal Canal, quando o PS ganhou as eleições e o José Niza foi para a RTP. Ele fez parte de uma gente mais atrevida na televisão pública. Parte dos louros de O Tal Canal é dele. É preciso não esquecer que cinco anos depois tive um programa [Humor de Perdição] censurado e retirado do ar”, relembrou.

A personagem que mais marcou Herman José no programa foi “Tony Silva”, o cantor hispânico “creador” de toda a música “ró”. “Ele nasceu antes, no “Passeio dos Alegres”. N’ “O Tal Canal” autonomizou-se e cresceu. Mas talvez a que tenha marcado mais as pessoas tenha sido o “José Estebes”. Lembro-me de que a direcção da RTP teve dúvidas se a personagem ia ferir susceptibilidades das pessoas do Porto. E com razão. Mas foram as pessoas do Norte que mais acarinharam o “Estebes” e foi um sucesso enorme”, contou Herman José.

A questão de satirizar a televisão surgiu “Porque era a maneira mais fácil de chegar às pessoas nos anos 80. Tudo o que acontecia aparecia na televisão, com dois canais. E não como agora em que tudo é mais disperso com dezenas de canais, Internet… Naquela altura, o País parava para ver uma telenovela”, explicou. Em relação ao programa, houve uma altura em que o humorista não se orgulhou dele; “Hoje, sim. Tenho uma visão mais distanciada. Foi um programa mais amador e olho para ele com carinho.”

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close