RTP

«Príncipes do Nada»: Portugueses conhecem novos «relatos de esperança» esta semana

Catarina Furtado regressou à antena da RTP 1 no passado mês de janeiro com a quarta temporada de Príncipes do Nada. Agora com um novo parceiro, o Instituto Camões, o programa volta à televisão portuguesa com diferentes histórias de pessoas que trabalham diariamente pela melhoria do mundo nas mais diversas áreas. O novo episódio, que viaja esta semana para Timor-Leste e São Tomé e Príncipe, é transmitido esta quinta-feira, dia 16 de fevereiro, a partir das 21 horas.

Esta semana, Catarina Furtado aterra, primeiro, em Díli para conhecer a Casa Vida, uma organização não governamental (ONG) dedicada às meninas e raparigas timorenses vítimas de abusos sexuais. Joana, hoje com 18 anos tinha apenas 12 quando chegou à Casa Vida. É a primeira de muitas histórias que ajudará os telespectadores a compreender o que motivou Simone Assis a fundar esta associação há nove anos.

Os níveis de violência com base no género em Timor-Leste são muito elevados Três em cada cinco mulheres foram vítimas de violência física ou sexual. Muitas das meninas que são vítimas de incesto ficam grávidas com 12 e 13 anos. Com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a População, a Casa Vida e a ALFELA – associação que fornece assistência jurídica gratuita a meninas e mulheres por todo o país – trabalham diariamente pelos direitos das meninas e mulheres que sofrem maus tratos. Grande parte dos casos de violência doméstica são resolvidos através da justiça tradicional, especialmente em contextos com casamentos “barlaque”, ou seja, quando existe o pagamento, pelo marido, de um dote à família da mulher. Serão contados muitos relatos de dor mas também de esperança.

Segue-se a viagem até São Tomé e Príncipe onde os portugueses ficam a conhecer Dulce, de 63 anos, mãe de 10 filhos, que só agora vai à sua primeira consulta de ginecologia, graças ao “Saúde para Todos – Especialidades”, projeto do Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF). Uma das prioridades desta organização não governamental é combater o cancro do colo do útero, uma das principais causas de morte na mulher nos países subdesenvolvidos. A equipa portuguesa desta ONG, que tem o apoio do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, e da Fundação Calouste Gulbenkian, desloca-se a São Tomé com regularidade, sempre com o objetivo de assistir o maior número de casos possíveis. Os mais graves costumam ser transferidos para Portugal, onde os pacientes são submetidos a tratamentos inexistentes em São Tomé. Integrar a vacina contra o cancro do colo do útero no Plano Nacional de Vacinação de São Tomé é uma das grandes vontades do IMVF.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close