RTP

«Príncipes do Nada»: Apresentadora conhece novos casos de esperança no episódio desta semana

Catarina Furtado está de volta à antena da RTP 1 para mais um episódio da quarta temporada de Príncipes do Nada que, este ano, conta com um novo parceiro, o Instituto Camões. Esta quinta-feira, dia 16 de março, a apresentadora viaja até São Tomé e Príncipe e Guiné Bissau para conhecer novos casos de esperança.

Em São Tomé e Príncipe, com mais de metade da população a viver abaixo da linha de pobreza e muitas comunidades com dificuldades de acesso à Saúde e à Educação, é muito frequente raparigas de 14, 15 e 16 anos engravidarem. Deixam de ir à escola assim que a barriga se faz notar, ficam dependentes dos companheiros e, em pouco tempo, tornam-se mães de quatro e cinco filhos, com graves dificuldades de subsistência. Resgatar as mulheres deste ciclo, encorajá-las e prevenir que as adolescentes de hoje sigam esse modelo são algumas das prioridades diárias do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP).

Neste programa, Catarina Furtado acompanha a equipa dirigida pelo médico santomense José Manuel Carvalho. Conhece, na capital, uma escola gerida por freiras que dá oportunidade a raparigas e mulheres de estudar, mesmo que estejam grávidas ou que vivam situações familiares complicadas ou, ainda, que já tenham ultrapassado a idade escolar. Segue-se uma viagem para o distrito de Caué onde é visitado o centro de saúde de Angolares, que recebe casos de mulheres que são mães antes dos 18 anos. Paula tem três filhos e foi brutalmente espancada pelo marido por fazer contraceção. Atenta à importância da informação na educação de rapazes e raparigas, a enfermeira Beth trabalha há muitos anos na sensibilização de adolescentes. Na Escola Secundária de Angolares, Catarina Furtado partilha a sua experiência e ouve as opiniões de vários alunos e alunas.

A próxima paragem é Guiné-Bissau, onde a taxa de mortalidade em crianças até aos 4 anos está entre as piores do mundo: 55 mortes por cada 1000 nascimentos. A mortalidade materna traduz também números gritantes já que, no geral, os partos não têm a devida assistência. O projeto Tabanka Ku Saudi, da organização não governamental VIDA – Voluntariado Internacional para o Desenvolvimento Africano -, é apoiado pelo Camões, Instituto da Cooperação e da Língua e atua há mais de 20 anos na Guiné, onde reforça o sistema de saúde. O principal objetivo é reduzir as taxas de mortalidade materno-infantil, que está a ser cumprido com a ajuda dos mais de 700 agentes de saúde comunitária formados pela VIDA. Ragildo Nanque é um deles. Tem 28 anos e vive na aldeia de Quissete, região de Biombo. Ragildo visita diariamente cinco famílias para promover, por exemplo, a amamentação exclusiva ou a utilização de latrinas. A Guiné-Bissau defronta-se também com a questão da vacinação e má nutrição nas crianças, que o projeto “Estratégia Avançada” tenta combater.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close