RTP

«Ministério do Tempo»: Esta segunda-feira é dia de viajar até Lisboa de 1755

A série Ministério do Tempo aproxima-se do último episódio da primeira temporada. Nos últimos meses, os portugueses têm viajado pelos quase nove séculos da História de Portugal. Esta segunda-feira, às 21 horas, a patrulha segue viagem até Lisboa de 1755. Leia agora a sinopse do episódio: 

Salvador está furioso. O maior segredo da humanidade acabou de ser revelado. Um segredo que apenas alguns, e muito  poucos, escolhidos no Ministério do Tempo conheciam: o motivo do sorriso da Mona Lisa, o famoso quadro de Leonardo Da Vinci. Para piorar as coisas, é fim de semana. A maior parte dos funcionários do Ministério do Tempo está de folga, incluindo Amélia, Tiago e Afonso. Sem outra alternativa, Salvador manda Irene e Nuno Gonçalves para investigar o que se passa no Paço da Ribeira, a 30 de outubro de 1755, dois dias antes do terramoto que destruiu Lisboa.

Nuno Gonçalves entusiasma-se com a missão. Afinal, grande parte da sua obra está no Paço da Ribeira. Vê nesta missão a hipótese de acabar, de uma vez por todas, com as dúvidas que há no século XXI sobre a sua existência. Salvador e Irene proíbem-no terminantemente de salvar um quadro que seja. Ao chegarem a 1755, Nuno Gonçalves e Irene apresentam-se à Rainha D. Mariana como um casal recém-chegado do Brasil, com interesse em adquirir um título nobiliárquico. Para que tal aconteça, querem presentear o rei com obras perdidas do famoso pintor Nuno Gonçalves. D. Mariana, agradada com as oferendas, convida-os a dormir no Paço da Ribeira.

Nessa noite, Irene e Nuno Gonçalves investigam os corredores do Paço da Ribeira. De repente, um gás soporífero é lançado. Irene e Nuno Gonçalves adormecem profundamente e acordam na manhã seguinte sem saberem o que se passou. Depois de um rápido exame às obras de arte expostas no Paço da Ribeira, percebem que alguém trocou os originais por falsificações baratas..Trata-se de um roubo perfeito uma vez que o Paço da Ribeira será destruído dentro de dois dias. Irene pede reforços a Salvador que convocar a patrulha mas sem sucesso. É convocado então Camões que não poderia estar mais feliz por partir em mais uma missão.

Camões chega a 1755. Nessa noite, ele e Amélia, já munidos de máscaras antigas, patrulham os corredores do Paço da Ribeira, descobrindo que os assaltantes são operacionais da Companhia. A liderá-los estão Mafalda Torres e Bennet. O conhecido poético consegue capturar Bennet, mas este não se rende com vida. Já Mafalda Torres escapa e aparece no gabinete de Salvador com uma proposta que o secretário geral do Ministério nunca esperou ouvir.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close