RTP

Indefinição na privatização de um dos canais da RTP

Depois do semanário Expresso noticiar ontem que a RTP2 seria o canal cuja licença seria alienada, fonte do governo nega a informação e adianta que para além de não haver ainda decisão,  estão em cima da mesa “vários cenários e todos passarão pela alienação de um dos canais, como estava previsto”.

Em principio, e contrariando o artigo do Expresso e que A Televisão noticiou, a decisão será tomada “em setembro ou outubro”, e pode passar pela alienação do canal 1, do canal 2 ou uma terceira hipótese, da qual se desconhecem pormenores. Este processo é liderado pelo ministro dos assuntos parlamentares Miguel relvas, e acompanhado pelo conselheiro de estado para as privatizações, e tem os consultores eleitos Campos Ferreira e Sá Carneiro para o jurídico e a BCG e Accenture para a área estratégica, ambas as consultorias já estão a trabalhar no caso da RTP.

Na estação pública, várias são as vozes que se dividem e ponham a RTP1 como possível canal a alienar, “uma vez que é o mais valioso dos dois”, e “ficando a RTP 2, a programação terá conteúdos do primeiro canal que possam dar mais audiência” diz fonte da empresa.

Preparada está já a ser a grelha do canal único, Jorge Wemans, diretor de programas da RTP2 afirma “Tem havido debate e reflexão internos, mas nada é válido. Estamos numa fase inicial. Existe muita indefinição, muita coisa ainda não é clara. Não se pode definir uma grelha de um canal único sem se ter o novo Contrato de Concessão de Serviço Público. Aí já teremos as orientações suficientes”, diz o responsável ao jornal, que diz também ser importante a manutenção de certos conteúdos presentes na grelha do canal pelo qual tem sido responsável: espaços infantis, agenda cultural, documentários e cinema.

Uma das preocupações que reina na RTP é a gestão dos canais internacionais, Jaime Fernandes, diretor da RTP África e RTP Internacional revela estar “a preparar o plano A e B”, consoante o canal a ser privatizado, mas mostra-se preocupado, pois “Os canais internacionais serão sempre prejudicados, já que as suas grelhas são alimentadas com conteúdos da RTP 1 e da RTP 2”. Outra das preocupações prende-se com os possíveis despedimentos, “existe grande receio dos trabalhadores”, segundo fonte do canal ao jornal.

Arons de Carvalho, vice-presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social considera que a venda “será sempre um erro. O mercado publicitário está reduzido. Mais um operador vai tornar as condições dramáticas.”. Preocupado, espera também que  “não seja uma venda direta e que haja um concurso”.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close