RTP

Comissão de Trabalhadores da RTP responde a críticas de Morais Sarmento

RTP1

 

Nuno Morais Sarmento foi o convidado de Vítor Gonçalves na edição desta semana do programa « De Caras». Durante a entrevista  o antigo ministro  que tutelava a pasta da Comunicação Social, entre 2002 e 2005, reiterou que a delegação da RTP no Porto está «sobredimensionada» acusando-a  de ser « a principal razão da ineficiência da RTP versus as privadas quando se fazem comparações, em que a RTP anda a deitar dinheiro à rua todos os dias».

O advogado quebrou o silêncio e falou sobre o futuro da estação pública, e sem rodeios nem meias palavras, admite que «talvez fosse altura de termos um operador de televisão, no norte» , não através da privatização ou concessão um dos canais da RTP, mas com a «abertura de uma nova emissão de televisão privada em Portugal, não à custa do segundo canal [da RTP] mas da quinta licença» para a emissão de um canal em sinal aberto na Televisão Digital Terrestre.

Depois das notícias avançadas pelo jornal i que davam conta dos gastos excessivos da delegação regional nortenha a comissão de Trabalhadores da RTP Porto convida o antigo ministro da Presidência dos Governos de Durão Barroso e Santana Lopes a «fundamentar» melhor os seus pareceres.

Em comunicado, intitulado,«O que o advogado Nuno Morais Sarmento não sabe mas devia saber sobre a RTP Porto» a subcomissão de trabalhadores da RTP Porto, contradizem o antigo ministro com números.

No documento, a comissão rejeita as afirmações do advogado e considera as palavras de Morais Sarmento «mal fundamentadas» e garante que a RTP Porto tem cumprido o “«nsubstituível papel de serviço público de proximidade em condições muito mais próximas de um permanente subdimensionamento e com óbvias economias de escala para a empresa».

«A RTP Porto – rádio e televisão – tem um quadro total de 322 funcionários, o que corresponde a 15.5% do total do universo RTP», avança o comunicado, acrescentando que o Centro de Produção Norte da estação foi, «de todas as estruturas do universo RTP», a que mais pessoal reduziu ao longo dos últimos anos.

Para os trabalhadores da estação pública, o plano de saídas voluntárias, imposto no final de 2011, teve como resultado a saída de 10 % dos trabalhadores do Centro de Produção Norte.

No documento, a comissão considera que  «a RTP Porto significa a criação e manutenção, a Norte, de trabalho qualificado em áreas tão díspares como a electrónica e as telecomunicações, a informática, a cenografia, o teatro, o cinema, a produção de televisão, a comunicação audiovisual ou o design de comunicação». A subcomissão de trabalhadores da RTP Porto  vai anda mais longe e aponta o dedo aos «pareceres pagos a peso de ouro a escritórios de advogados, como o que dirige [Nuno Morais Sarmento]».

A subcomissão de trabalhadores do Porto  alega ainda os números de 2011 em que a delegação nortenha  produziu cerca de 23 % do tempo de emissões de informação produzidas pela estação e de cerca de 50% do tempo de emissão na RTP Informação.

Ainda segundo o comunicado, a comissão  garante que «a RTP Porto vem cumprindo o seu insubstituível papel de Serviço Público de proximidade em condições muito mais próximas de um permanente subdimensionamento e com óbvias economias de escala para a empresa».

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close