RTP

Bruno Nogueira recusou fazer nova série de «Último a Sair»

Numa altura em que prepara um novo programa para a televisão do estado, o conhecido humorista revela, em grande entrevista à Notícias TV desta semana, que preferiu fazer uma segunda série de Último a Sair.

Questionado se sentiu alguma pressão para fazer uma nova temporada deste formato, que foi um sucesso, sobretudo ao nível das redes sociais, Bruno Nogueira explica: “Não. Se sentisse essa pressão não faria nada em televisão durante muito tempo. O Último a Sair preenche tudo aquilo que me agrada em televisão, os argumentistas, os atores, a realização, a produção. Aquilo completa-me muito, mas não dá para ficar agarrado a uma coisa de que me orgulho sempre. Nunca a vou menosprezar, mas há outros caminhos a seguir.”, começa por dizer, ressalvando que: “o mais fácil seria fazer uma segunda edição do Último a Sair, mas tal como aconteceu com Os Contemporâneos ao fim de três séries, chega a uma altura em que, se achas que não consegues fazer melhor do que foi feito, mais vale deixá-lo sobreviver e ficar na memória assim do que estragar o que já foi feito.”

Ainda assim, o humorista admite que o público lhe pediu uma nova série de Último a Sair: “Sim, era o que a maior parte das pessoas queria que eu fizesse. Foi precisamente por isso que me afastei, inconscientemente, da ideia. Se era aquilo que se estava à espera, é porque o caminho não era por ali.”

A terminar, Bruno Nogueira confessou que guarda memórias “muito boas” do programa: “Foi uma época em que ia enlouquecendo porque tinha muito trabalho. Estávamos a escrever durante a semana e ao fim de semana e filmávamos todos os dias. Fomos escrevendo o programa ao longo do tempo em que o programa ia para o ar. Tínhamos um rumo mais ou menos estabelecido, mas percebemos que havia pessoas que conhecíamos menos bem e que podiam dar muito mais ao programa. Era escrito em cima do acontecimento. Quando escrevemos o último episódio, num hotel, lembro-me que a última linha do último episódio foi escrita às 04.00 da manhã e às 08.00 íamos começar a gravar. Íamos chorando de dor e de alívio ao mesmo tempo (risos). Conseguimos desconstruir o que é a televisão e a comédia com este formato. O elenco era impensável e conseguiu casar muito bem.”

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close