Geral

Sónia Brazão lança livro “Não Desisto”

Quatro meses depois da violenta explosão que a colocou em risco de vida, a atriz resolveu passar para papel tudo o que sente e clarificar alguns aspetos que muita polémica têm causado.

As memórias, as esperanças, os medos, a família, os amigos, as mensagens que recebeu, as cicatrizes ou as lágrimas que derramou estão, todas elas, retratadas em Não Desisto, que já se encontra disponível nas livrarias. Eis a sinopse:

O mundo pode transformar-se em segundos. Inesperadamente. E a vida que tínhamos torna-se outra. Eu sou a mesma pessoa que sempre fui e, ao mesmo tempo, outra: sou uma sobrevivente. E feliz por o ser. O objectivo do meu relato, não é outro se não o de poder dar a conhecer um pouco do que sou e sinto, antes e depois dos eventos mais recentes, a explosão da minha casa, as queimaduras que me levaram à unidade de queimados do Hospital de São José em Lisboa, um local único, onde só encontrei pessoas de um extremo profissionalismo e cheias de amor e sentido positivo.
Como disse, as palavras são poderosas e escreve-se muito sobre as figuras públicas, especula-se, imagina-se. Ser uma figura pública tem várias vertentes, é como se fôssemos um cristal trabalhado, várias faces, formas de reflectir a luz ou a escuridão. A melhor de todas é, sem qualquer dúvida, o reconhecimento e carinho do público, o público que nos aborda na rua, ou através de outros meios, e faz questão de deixar uma palavra, um conforto, um elogio. A pior? Como é fácil de imaginar, a pior vertente de se ser alguém cujo rosto pode entrar pela casa adentro diariamente é a exposição, os rumores, os boatos, uma desfiguração de quem somos. Muita coisa foi dita e escrita sobre os últimos meses da minha vida.
Eu sou a mesma pessoa por dentro e tenho os olhos postos no futuro. Se o meu relato for passível de ajudar alguém, de motivar quem está numa situação de saúde grave ou apenas esclarecer aqueles que, por uma razão ou outra, sentem curiosidade sobre a minha vida, pois aqui fica. Da forma mais honesta e sincera que fui capaz, sem tabus ou preconceitos, respeitando obviamente uma barreira de intimidade que, acredito, nunca deve ser ultrapassada.
Assim, convido o leitor ou leitora a espreitar aquilo que sou, o que fiz, o que pensei e senti
.

  • catia gonçalves

    é bom que vejam o livro.. muita parte da populaçao tem o vicio de dizer tudo e nada do que sabem do que lhes parece!.. ninguem mas ninguem melhor que a sonia brazao pode explicar o que realmente aconteceu.. qualquer coisa grave o menos grave e motivo pa especularem tudo que lhes passa pela cabeça.. por isso antes de julgarem o melhor a fazer e reaverem os factos para tal tragedia ter acontecido!!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close