Geral

Pessoas infelizes vêem mais televisão

Dois investigadores norte-americanos avaliaram a felicidade/infelicidade nas actividades de 30 mil pessoas em função das suas actividades quotidianas e concluíram, entre várias curiosidades, que os infelizes vêem mais TV, meio que por si que gera infelicidade dada a sua capacidade de criar dependência.

As pessoas felizes lêem mais jornais e socializam-se mais do que as infelizes – estas preferem ver televisão, conclui um estudo que será publicado pela Springer Science+Business Media, na edição de Dezembro do seu jornal Social Indicators Research.

Partindo da pergunta “Serão as pessoas infelizes mais atraídas pela televisão?” (porque essa é a percepção empírica geral) dirigida a cerca de 30 mil pessoas, os investigadores John Robinson e Steven Martin, da Universidade de Maryland, nos EUA, concluíram que, de facto, as pessoas infelizes consomem mais 20% de televisão do que as felizes, que são mais activas socialmente – vão mais à missa ou votam mais.

Durante cerca de 30 anos, os dois investigadores, no seu General Social Servey – 1975 a 2006, onde avaliaram a felicidade/infelicidade das pessoas em função das suas actividades quotidianas, concluíram ainda que os indivíduos com uma felicidade “intermédia” consomem apenas 10% mais do que os felizes.

E, destacando que a televisão é ela mesmo um dos factores que provoca infelicidade e ao mesmo tempo dependência, sobretudo, nos sujeitos mais vulneráveis como os com poucas habilitações, John Robinson explica: “A televisão pode dar aos telespectadores um prazer de curto prazo, mas um mal-estar com o passar do tempo.” A mesma opinião é reforçada por Steven Martin que diz: “Actividades de adição produzem momentos breves de prazer, mas a longo prazo infelicidade e arrependimento. As pessoas mais vulneráveis à adição tendem a estar socialmente ou pessoalmente em desvantagem com a televisão a tornar-se um opiáceo [ópio].”

As pessoas que não estão satisfeitas com o seu casamento, por exemplo, passam mais tempo em frente do televisor (+ 10%), do que as que têm um casamento de sonho. Por outro lado, os sujeitos infelizes têm mais tempo disponível, ainda que não o desejem, concretamente 51% do que as felizes (19%) e sentem mais a pressão do tempo (35% contra as felizes com 23%).

Ainda que para esta dependência muito contribui o facto de os telespectadores não terem de: deslocar-se a lugar algum, despir-se, encontrar companhia, planear, gastar energia, fazer qualquer trabalho, ou mesmo pagar qualquer preço para ver televisão. Argumentos que combinados resultam no tal prazer de curto prazo, sendo este aliás o mais sentido pela maioria dos norte-americanos, defendem os investigadores.

Estas conclusões vêm, no entanto, contrariar estudos recentes, nomeadamente um realizado pela universidade de Princeton, que defende a televisão como uma actividade “altamente recomendável e que melhora a qualidade dos seus utilizadores”

Crise aumenta consumo

Uma pessoa passa, em média, 223 minutos por dia como espectadora. E a crise irá fazer aumentar o consumo de televisão em minutos, em 2009, tanto quanto nos últimos sete anos juntos, segundo previsão recente da União das Televisões Comerciais Associadas (Uteca). Este organismo constatou uma queda de 9% nos gastos com o ócio- ir ao cinema, jantar fora, ou viajar – e um aumento de 3% no consumo de minutos de televisão. O mesmo estudo revelou ainda que os jovens são aqueles que menos tempo passam em frente ao televisor – 146 minutos por dia, contra os 314 minutos vistos pelos maiores de 65 anos e os 263 minutos que gasta a ver televisão a faixa etária dos 45 aos 65 anos.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close