Geral

‘Morangos’ ou ‘Rebelde’

A estação de Queluz promove esta segunda-feira um directo de quatro horas, subordinado ao tema “Morangomania”, a partir da praia de Santo Amaro de Oeiras. Coincidência ou não, vai esta segunda-feira para o ar o primeiro episódio da ficção juvenil da SIC.

A concorrência está ao rubro. “Morangos com açúcar” granjeou uma posição quase intocável no que concerne ao público mais novo. Porém, a série que já vai para a sua sexta temporada terá de se digladiar com um produto novo, que constitui uma alternativa, e cujo o “target” a que se dirige compreende a mesma faixa etária. “Rebelde way” estreia-se hoje e é a grande aposta estival da SIC, resta saber se o bolo das audiências se manterá intacto por Queluz, ou se uma fatia dos espectadores rumará até Carnaxide.

Uma festa à beira mar é a proposta da TVI para esta tarde. Os protagonistas, como não poderia deixar de ser, são as estrelas e bandas musicais que já passaram pela série. Quem terá a emissão a seu cargo serão também rostos bem familiares dos mais jovens, como o de Angélico Vieira, Vanessa Martins e Júlia Belard.

Impõe-se a questão: será ingénua a data eleita para se celebrar a “Morangomania”? Fonte interna da TVI não assume o propósito de fazer frente à ainda embrionária novela com a qual compete. “‘Rebelde way’ não tem sequer horário de exibição anunciado, se calhar nem estreia na data prevista”, argumenta. Releve-se que Nuno Santos, director de Programas da SIC, aquando da apresentação da novela, adiantou o dia, mas manteve a hora reservada na grelha num halo de secretismo.

De acordo com a mesma fonte, “todos os anos se realiza uma festa de Verão dos ‘Morangos’, aproveitando o facto das praias estarem cheias e a euforia associada à época do ano que precede o início das aulas”. A moda que a série tem criado, “instalando-se na maneira de estar na vida das pessoas e influenciando estilos e condutas” justifica o neologismo “Morangomania”.

Mas, afinal, onde reside o segredo do sucesso? “No evoluir e na renovação. A série não se encostou à sombra do êxito. Criou novas personagens, o próprio conceito de escola tem vindo a sofrer alterações, além de veicular modelos de professores, directores e alunos variados”.

Uma discussão que está na ordem do dia é se este género de ficção deseduca. “Não, procura antes mostrar a realidade sem ter a pretensão de substituir os pais nessa tarefa, tendo, no entanto, uma componente moral positiva uma vez que os ‘maus’ são punidos e os ‘bons’ compensados”.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close