Geral

Espanha retira os anúncios à estação pública

Pagamento da dívida da RTP dependente das receitas publicitárias, inviabiliza, para já, esta medida em Portugal

O Governo de Zapatero manifestou a intenção de suprimir por completo a estação pública espanhola de anúncios publicitários. Canais privados e operadoras de telecomunicações terão, todavia, de contribuir com verbas para sustentar a TVE.

Depois de França, Espanha. E, a nível europeu, as decisões de se terminar com a publicidade nos canais do Estado parece constituir tendência. Se Nicolas Sarkozy, no princípio do ano, prescreveu o fim dos anúncios publicitários na estação pública francesa até 2011 – sendo que a primeira medida implementada foi a de acabar com os mesmos no período das 20 às 6 horas -, o Executivo espanhol veio agora anunciar que, até Setembro de 2009, tal sucederá na TVE.

Porém, não é de todo pacífico este intento, uma vez que se alicerça no pressuposto de serem as cadeias privadas, bem como as operadoras de telecomunicações, a financiar em 10% e 24%, respectivamente, as despesas da estação estatal. Os restantes 45% das verbas serão suportados pelo Estado, além da taxa de 20% face ao uso do espaço rádioelectrico.

Também a Associação Espanhola de Anunciantes se insurge contra a resolução, classificando-a de uma “barbaridade”. A sua principal preocupação reside no facto de o mercado ficar concentrado nas mãos de um oligopólio controlado pelos canais privados o que, segundo alega, fará encarecer preços e tarifas.

O deputado socialista Arons de Carvalho lembra que em Portugal vigora um plano de reestruturação da RTP até 2019, no qual a Banca está envolvida, que não torna exequível o extermínio da publicidade. São as receitas dos anúncios que pagam a dívida. Acresce ainda o facto de que, caso o cenário se colocasse, “o lesado seria o bolso dos contribuintes”, frisa. “Em teoria, faria sentido o panorama, mas a longo prazo”, ainda que ressalve: “Não creio que o serviço público seja melhor por não ter publicidade”.

Por sua vez, João Palmeiro, que preside a Associação Portuguesa de Imprensa (API), recorda o repto lançado ao Governo, em Dezembro passado, no Dia Nacional da Imprensa, no que concerne à redução publicitária, uma vez que a “extinção total entraria em conflito com as responsabilidades assumidas perante Bruxelas quanto ao pagamento da dívida da RTP”. Contudo, apela a que as regras do jogo venham, futuramente, a ser análogas às que se proliferam e aplicam na Europa.

Elsa Pereira, JN

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close