Geral

Cobertura televisiva nas eleições autárquicas será afectada

Foto: Sol
Foto: Sol
Foto: Sol
Foto: Sol

Uma interpretação que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) fez sobre a lei, em que supostamente o espaço noticioso dos canais televisivos teria de incluir todos os candidatos, em plenas autárquicas, está a chegar algum desconforto aos diretores de informação da RTP, SIC e TVI. Apesar de afirmarem que a cobertura irá ser afetada, consideram que um boicote não está em causa.

O problema é dar tempo de antena a todos os candidatos. Alcides Vieira, diretor de informação da SIC, revela que a cobertura da campanha está fora dos planos das televisões: «Para se dar o que é importante, teríamos de dar iniciativas sem relevância. E nem há meios para isso». Esta mesma ideia é defendida por Paulo Ferreira, diretor de informação da RTP: «Estamos a ponderar o risco financeiro e jurídico de tudo o que fazemos», destacando uma notícia que deram recentemente em que não puderam ouvir o candidato António Costa na mesma: «Fizemos uma emissão sobre o incêndio do Chiado, mas não ouvimos o presidente da Câmara, António Costa, porque teríamos de ouvir os outros que, para o caso, não teriam qualquer relevância jornalística. É um absurdo», cita o jornal Sol.

A única alternativa para se fazer uma possível cobertura televisiva é mostrar sondagens, desde que começa o período eleitoral, já que as reações dos partidos estão fora de questão: «A única coisa que estamos a fazer são sondagens sobre alguns dos concelhos politicamente mais relevantes, com reportagens de enquadramento social e económico», afirma Alcides Vieira.

O diretor de informação da TVI, José Alberto Carvalho, afirmou que ainda não tem nada planeado, mas que ainda é tudo bastante prematuro: «Não temos, para já, nenhuma cobertura planeada. Mas a verdade é que em muitos concelhos ainda nem sabemos quem são os candidatos». No entanto, considera que os mais prejudicados serão os partidos, dando o exemplo do partido Movimento Esperança Portugal (MEP): «Nas últimas legislativas, o MEP teve uma cobertura mediática nunca vista: o seu líder esteve dias em simultâneo nos três canais a debater com outros candidatos, depois de ter ganhado providências cautelares. Curiosamente, o MEP conseguiu o pior resultado de sempre e extinguiu-se».

Em suma, apesar de ter havido reuniões, a ERC não mudou a lei e o presidente da CNE, Fernando Seara, afirma que a «Comissão limita-se a aplicar a lei, no que diz respeito à igualdade de oportunidade das candidaturas». No entanto, os diretores de informação de televisão contrapõem que a lei está inalterável desde 1975 e que sempre houve debates apenas com alguns candidatos. José Alberto Carvalho admite que «até os tempos de antena são atribuídos de acordo com a representatividade eleitoral” de cada partido».

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close