Geral

Bandas juvenis rendem fortunas às estações

Uma agressiva operação de marketing e de multimédia é garantia de como a SIC vai ganhar milhares de euros com a série juvenil ‘Rebelde Way’ e a sua banda musical, RBL

As bandas saídas de formatos televisivos juvenis são, acima de tudo, um negócio. Um negócio que começa com o sucesso da série e se estende, posteriormente, à banda. Depois dos D’ZRT, 4 Taste, Just Girls (todos da TVI) e Floribella (SIC), o fenómeno televisivo está prestes a repetir-se com RBL, a banda mista de ‘Rebelde Way’, cuja estreia está marcada para segunda-feira, dia 25, na SIC. “O lançamento do CD da banda sonora original será o primeiro produto a ser lançado logo depois da estreia da série”, diz à ‘Correio TV’ Sofia Moura, do departamento de Marketing da estação de Carnaxide.

Cerca de 80% da totalidade das vendas dos discos e dos DVD das bandas é a percentagem auferida pelas editoras, que no caso da TVI e da SIC pertencem ao mesmo grupo económico que detém as estações privadas. Actualmente, a banda feminina de ‘Morangos com Açúcar’, Just Girls, já valeu à Media Capital, detentora da TVI, mais de um 1,5 milhões de euros com a venda do CD e do DVD. Valores mais altos renderam os D’ZRT, que deram a ganhar mais de 2,5 milhões de euros. Já os 4 Taste, grupo que deu música à terceira temporada de ‘Morangos’, rendeu pouco mais de um milhão de euros com a venda dos dois CD. O segundo disco – ‘Take 2’ – vendeu apenas oito mil exemplares. Por outro lado, a banda Floribella foi a que mais deu a ganhar, mas à SIC. Só o primeiro CD alcançou as 10 platinas, ou seja cerca de 200 mil unidades. Na totalidade, os três discos da banda liderada por Luciana Abreu renderam ao grupo Impresa, que detém a SIC, o equivalente a 4,5 milhões de euros. Mas destes valores pouco sobra para os artistas. A ‘Correio TV’ apurou junto de uma editora que pertencer a uma banda ‘colada’ ao sucesso de uma série juvenil não lhe permite receber de mais de 1% de ‘royalties’ da venda dos discos. Mesmo os grandes artistas como os Da Weasel, por exemplo, não auferem de uma percentagem muito superior, refere a mesma fonte. “São bandas que vão e que vêm”, frisa Manuel Moura Santos, agente de músicos como Rui Veloso e Jorge Palma.

O profissional explica assim que estes grupos são efémeros e que dificilmente sobrevivem para lá do formato em que se tornaram conhecidos. “É evidente que a banda RBL pode sair da televisão para concertos pelo País”, salienta Nuno Santos, director de Programas da SIC. Contudo, esta é outra questão, pois quando se fala em concertos, os ganhos, dependendo dos contratos de cada actor com o canal, são “mais vantajosos”, explica à Correio TV Madalena Zenha, advogada e ex-representante dos D’ZRT. Veja-se o caso de Luciana Abreu, que estreia dia 30 na SIC o novo formato infantil ‘Programa da Lucy’. Na época dos concertos da banda Floribella, a menina bonita da estação de Carnaxide ganhou, segundo a própria, “cerca de 15 por cento dos lucros por cada espectáculo”.

Realidade diferente poderá ser a de RBL, já que a banda de ‘Rebelde Way’ conta com um grupo musical de suporte para os seus espectáculos. Ainda assim, os actores Tiago Barroso (Pedro) e Nélson Antunes (Manuel) asseguram as guitarras, enquanto as actrizes Joana Anes (Mia) e Joana Alvarenga (Lisa) formam o coro. Segundo Carla Carvalho, directora de produção da série, o contrato assinado por cada um dos protagonistas prevê “que cada um receba uma participação de igual valor nos lucros da venda dos discos”. Mas o proveito maior para os actores é a projecção do seu trabalho, iniciado há meses. “Está a ser preparado, com uma popular marca de roupa, um projecto inédito de lançamento de uma nova colecção que irá vestir a banda”, salienta Sofia Moura. Outros produtos relacionados com o grupo irão aparecer, mas numa fase posterior e relacionados com a hipótese de espectáculos ao vivo. “Já estão assinados contratos para o lançamento de produtos escolares, musicais, têxteis e de perfumaria”, revela.

‘Rebelde Way’ assume-se, assim, um projecto vencedor. E ainda não estreou. “Estamos perante uma marca com enorme potencial de licenciamento, mas com características muito distintas de ‘Floribella’, pois destina-se a um público menos infantil” conclui Sofia Moura.

MERCHANDISING RENDE AINDA MAIS

OPERAÇÃO MULTIMÉDIA

‘Rebelde Way’ vai seguir o exemplo de ‘Floribella’ e apostar em força nos conteúdos multimédia e no merchandising. Recorde-se que o lançamento de produtos e marcas relacionadas com a série protagonizada por Luciana Abreu rendeu, só em 2006, cerca de 2,7 milhões de euros. Antes de estrear, ‘Rebelde Way’ já é um sucesso na internet, dominando sites e blogues. Em breve serão criadas outras páginas relacionadas com as temáticas abordadas na história e que oferecem aos fãs todo o tipo de downloads.

DIREITOS CONEXOS

LUCROS PARTILHADOS

A SIC vai assumir o poder total de negociação da marca RBL, detendo os direitos de autor e alguns conexos. Os direitos conexos são aqueles que, não fazendo parte da actividade criativa da obra, pertencem a quem a exterioriza ou torna pública. Neste caso, a SIC e os próprios artistas vão ganhar mais uns euros. Ainda assim, a Direcção-Geral dos Artistas (DGA) vai apenas buscar às televisões uma “’remuneração justa’”, salienta à Correio TV Maria Eduarda Graça, assessora da direcção.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close