Cabo

TVI24 segue os outros

Primeiro mês de emissão mostra pouca inovação e sinais de proximidade aos generalistas.

Programas como os de Alexandra Lencastre e Pedro Granger tentam captar franjas de público que não o habitual de um canal de notícias. Mas, no essencial, a estrutura do TVI24, com um mês de emissão, não difere da da concorrência.

Inovou ou é um clone dos outros canais de informação? Um mês depois do arranque da TVI24, as opiniões apontam no sentido de não haver muitas diferenças entre a emissão de Queluz e as da concorrência. Quando as há, são em programas que aproximam o canal dos generalistas e não do público-alvo deste tipo de transmissões.

O modelo, a organização de grelha e a estratégia da TVI24 não são nem diferenciadores nem inovadores em relação aos outros canais da concorrência. Esta é uma das observações de Rui Cádima, investigador na área dos média. “Em geral, quando há programas que entram em concorrência no mercado televisivo, a tendência é para a aproximação e não para a diferenciação”, explicou acrescentando que em Portugal, mesmo quando se faz contra-programação recorre-se ao mesmo género televisivo: “Telenovela contra telenovela”.

No entanto, o professor da Universidade Nova de Lisboa encontra alguns factores distintivos no projecto como é o caso dos programas “Rédea Solta”, com Pedro Granger, e “Conversa Indiscreta”, com Alexandra Lencastre. Debates e entrevistas mais ligeiros “que acabam por sair da lógica de um canal temático”, aproximando-se da de um canal generalista, sem com isto se poderem fazer comparações entre os dois tipos de emissão. “Os responsáveis pelos generalistas procuram defender projectos de grupo, mas isso é inaceitável. Os canais devem valer por si só”, rematou.

Visão mais crítica é a de Emídio Rangel, mentor do primeiro canal de informação nacional. “Não traz novidade, limita-se a copiar aquilo que foi criado para a SIC Notícias, que também já devia ter mudado”. “Uma cópia que é cópia nunca é igual ao original”.

Na opinião do ex-director da SIC e da RTP, os formatos mais ligeiros “não são de informação” e “não captam” as pessoas interessadas neste tipo de emissões. “As pessoas que gostam de informação sabem o que querem”, prosseguiu, sublinhando que esse facto se reflecte nas audiências.

Segundo dados da Marktest, de 26 de Fevereiro até 25 de Março, o TVI24 foi o menos visto dos três canais de informação. Continuando a liderança a pertencer à SIC Notícias.

Ana Gaspar, JN

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close