Cabo

Sport TV completa uma década com conteúdos diversificados

Há dez anos, eram poucos; hoje, não são muito mais, mas continuam a crescer em subscritores e em canais. O futebol é rei, embora só preencha 40% da programação que, entre fim de Outubro e meados de Novembro, exibirá novidades.

Uma caixa de surpresas é o que se pode chamar ao edifício em quadrado, situado no Parque das Nações, em Lisboa, para onde se transferiu, em Outubro de 2003, a sede da Sport TV, que tem, hoje, cinco canais: dois deles mais dedicados ao futebol (SporTV 1 e 2), um em alta definição, outro mais vocacionado para desportos alternativos e o mais recente, SportTV África.

É neste cubo de betão que são inventadas grelhas, criados alinhamentos das programações e discutidos “spots” de promoção dos conteúdos, entre muitas outras actividades.

Com a Sport TV África (nascido em Agosto) a dar os primeiros passos, não se prevê que um outro coelho saia da cartola da Direcção em breve, mas haverá novidades na programação entre os finais de Outubro e a primeira quinzena de Novembro.

Questionado sobre o segredo de um crescimento tão acelerado, Pedro Mota Carmo, administrador e director de Markerting, refere “a alta qualidade dos produtos e os exclusivos”. É na aposta nos eventos desportivos de massas que nenhuma estação nacional pode transmitir que reside o toque de Midas da Sport TV. Desde 2003 na empresa, Mota Carmo assinala como grandes momentos a transmissão do Mundial de futebol de 2006, na Alemanha, e do Euro, na Áustria e Suíça, no Verão passado.

Fora do desporto-rei, as surpresas mais agradáveis – em subscrições do canal – foram as transmissões dos grandes prémios do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 e, sobretudo, das fases de qualificação da selecção nacional de râguebi para o Campeonato do Mundo, em França, em que os “Lobos” emocionaram o país com o seu patriotismo e “fair-play”.

Diz este responsávransmitir que reside o toque de Midas da Sport TV. Desde 2003 na empresa, Mota Carmo assinala como grandes momentos a transmissão do Mundial de futebol de 2006, na Alemanha, e do Euro, na Áustria e Suíça, no Verão passado.

Fora do desporto-rei, as surpresas mais agradáveis – em subscrições do canal – foram as transmissões dos grandes prémios do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 e, sobretudo, das fases de qualificação da selecção nacional de râguebi para o Campeonato do Mundo, em França, em que os “Lobos” emocionaram o país com o seu patriotismo e “fair-play”.

Diz este responsável que quase um terço da população portuguesa assistiu pela Sport TV aos jogos da selecção nacional. Ao todo, a Sport TV estimou que quase três milhões de espectadores apoiaram, no ano passado, uma modalidade que durante anos foi esquecida pelos ecrãs.

O canal é feito com a dedicação dos cerca de 200 funcionários. Segundo disse Bessa Tavares, administrador do canal, são actualmente 102 contratados e outros tantos colaboradores. Há cinco anos, eram 70. A equipa mantém–se do início, com algumas contratações. Veste-se a camisola e o ritmo é alucinante. Muitas vezes, é preciso fazer tarefas em simultâneo. Fazer televisão é assim. Num piso intermédio, um comentador, sozinho na sala, de auscultadores postos e em frente de dois ecrãs, visiona o jogo Peru–Argentina, da Copa da América. No marcador lê-se 0-0.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close